Desenvolvendo o conceito de ativos intangíveis para que você possa viver melhor

Quando o assunto é dinheiro, investimentos e finanças pessoais, um dos temas mais recorrentes é: construa um patrimônio baseado em ativos, ou seja, investimentos que gerem renda, tais como poupança, CDBs, ações, títulos públicos, imóveis para alugar etc. Não gaste excessivamente seu dinheiro com passivos, ou seja, com aquilo que tira dinheiro do seu bolso, como carros, equipamentos eletrônicos, roupas etc.

Pois bem.

Muito se fala na necessidade de uma pessoa, para poder usufruir de uma boa independência financeira, construir de forma sólida sua coluna de ativos, de empregar bem o dinheiro que recebe, de escolher corretamente as aplicações financeiras e assim por diante. No entanto, será que o dinheiro é o único bem que pode ser considerado ativo? Eu penso que não.

Por isso, resolvi recorrer a um conceito extraído da contabilidade para explicar a vocês que existem valores mais importantes que o dinheiro, e que devem igualmente ser tão ou até mais perseguidos, buscados e almejados que o próprio dinheiro. Estou falando dos ativos intangíveis.

A Wikipédia nos dá uma boa noção do que vem a ser ativos intangíveis:

Ativos intangíveis são bens não-físicos. O termo define os ativos de uma empresa que não têm representação física imediata. Fazem parte dos ativos intangíveis de uma empresa as patentes, franquias, nomes e marcas, etc.

Exemplos

Além dos acionistas, as empresas do século XXI necessitam, para sua sobrevivência, atender a expectativas de outras partes interessadas (stakeholder). Para atender a esses interesses, é preciso desenvolver ativos não-financeiros (intangiveis) que garantam a sustentabilidade da organização no longo prazo.

Contabilidade empresarial brasileira

A partir da alteração da legislação societária brasileira promovida pela lei Lei nº 11.638/07 e Medida Provisória nº 449/08, o Ativo intangível deve figurar no Balanço Patrimonial das empresas como subgrupo de Ativo Permanente somente se seu valor for mensurado com segurança, for provável os benefícios gerados por este ativo em favor da entidade e se, a partir dos critérios supracitados, é identificável e separável do patrimônio da entidade e vendido, transferido, alugado etc.

E quais são os ativos intangíveis de uma pessoa física?

Partindo da premissa de que o intangível é aquilo que não pode ser materializado, temos vários exemplos do que vem a ser ativos intangíveis também para nós.

Comecemos com nosso próprio conhecimento. Tão importante quanto investir bem o dinheiro que auferimos é o investimento que fazemos em nossa qualificação pessoal e profissional. A realização de estudos, a freqüência a cursos de graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado, especialização, a participação em cursos esporádicos, palestras, workshops, seminários, a leitura de livros, jornais, revistas, apostilas,  informativos virtuais, enfim, tudo que é fonte de conhecimento e que é utilizado pela pessoa visando a se aprimorar pessoalmente é excelente forma de formar um patrimônio pessoal, um capital intelectual forte e robusto. E o que é melhor: esse capital intelectual ninguém e nenhuma crise tirará de você. Quanto mais energia você gastar na busca pelo conhecimento, mais ferramentas terá para lidar com as mais diversas situações.

O lazer é um ativo intangível que também deve ser contabilizado no seu balanço pessoal de qualidade de vida. Considero o gasto em viagens um verdadeiro investimento no bem-estar, prazer de conhecer novos lugares, novas pessoas, novos ambientes, satisfação, com retorno certo na melhoria de sua saúde física e mental. O lazer, em suas mais diversas formas – passeios, atividades culturais, mais horas em convívio com a família e amigos etc – é uma forma de se “desconectar” do dia-a-dia do trabalho e “se conectar” a aquilo que é prazeiroso na vida, proporcionando um recarregamento total de “bateria” para enfrentar os novos desafios de sua vida profissional.

E o que dizer do tempo, então? Esse é um dos ativos intangíveis mais importantes se quisermos aproveitar bem a vida. Afinal, de que adianta ter independência financeira se não houver tempo para usufruir das coisas boas da vida? Como está distribuído o seu tempo hoje? Você gasta suas horas de vida com atividades úteis e importantes, ou não consegue gerenciar bem sua rotina? O “problema” do tempo é que ele não volta atrás, podemos dizer assim. Você só tem chance de aproveitar bem o tempo futuro, a partir de lições aprendidas com mal aproveitamento de tempo do passado. A propósito, espero que o tempo que você esteja gastando lendo esse artigo esteja sendo proveitoso. 😉

Outro ativo intangível essencial para uma boa qualidade de vida é a convivência com família e amigos. Ter um círculo de amizades bem construído, e uma família bem estruturada são condições essenciais para conseguir sucesso na vida. Em outras palavras, a construção e manutenção de sólidos relacionamentos é ativo que conta muitos pontos positivos na vida de uma pessoa.

Já falamos disso aqui em outro tópico, e não custa nada retomar agora. Um velho ditado popular diz que as pessoas parecem que perdem saúde para ter dinheiro e, quando finalmente tem o dinheiro, o gastam para ter de volta a saúde que perderam anteriormente. Então, a saúde, sim, pode e deve ser considerado outro ativo intangível da maior importância. Ter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios físicos, ouvir suas músicas prediletas,  dormir bem, dentre outras coisas, são necessárias para ter vitalidade e energia numa vida com qualidade.

O que a pessoa faz na sociedade acaba determinado o conceito que a sociedade faz da pessoa. Assim, a honra, a imagem e o nome da pessoa, considerados no âmbito jurídico como alguns dos direitos da personalidade, também são importantíssimos ativos intangíveis, que devem ser preservados e devidamente valorizados.

Em resumo

Acima, abordamos apenas alguns dos ativos intangíveis que devemos perseguir. O que eles têm comum? Simples: além de serem valores reais – que dá nome ao blog, por sinal 😀 – eles são os verdadeiros bens que fazem a vida ter sentido. São ativos da mais extrema importância. É deles que nos utilizamos para construir a nossa própria história de vida. Embora não possam ser medidos (ao menos imediatamente) em dinheiro – não são sequer materializados em “coisas” – são ingredientes fundamentais para uma vida de equilíbrio e cheia de sentido.

O dinheiro tem a sua importância e utilidade, sim, mas apenas nos lugares onde ele é necessário. Não é possível ir ao supermercado comprar uma família, ou uma amizade verdadeira, ou ainda 4 horas a mais no dia. Mas é possível ter tudo isso sem dispor de um único centavo no bolso!

Construa um patrimônio de ativos tangíveis e intangíveis

O que eu quero dizer é simples: é muito importante construir sua coluna de ativos, e ter sua independência financeira, sim. Dinheiro bem investido rende muitos dividendos, e proporciona muitas liberdades. Agora, paralelamente ao seu plano de independência financeira, desenvolva um plano de construção de patrimônio formado por uma bela quantidade de ativos intangíveis, pois estes, se bem investidos, também gerarão muitos dividendos, materializados na forma de satisfação pessoal, saúde, mais tempo, respeito, convívio social prazeroso, e assim por diante.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

20 Responses to Desenvolvendo o conceito de ativos intangíveis para que você possa viver melhor

  1. Rosani 2 de outubro de 2010 at 20:17 #

    Olá gostei da maneira como foi colocada sobre o ativo intangivel, agora gostaria que me respondesse a seguinte pergunta.
    “Ativo intangível é um termo que define a empresa que não tem representação física imediata por quê?”

  2. Guilherme 2 de outubro de 2010 at 21:08 #

    Olá, Rosani, obrigado!

    Quanto à sua pergunta, acredito que se deve ao fato de não poderem ser objeto de troca física. Por exemplo, um imóvel é um ativo de representação física imediata, pois está corporificado sobre um dado objeto concreto. Já uma marca, como a Coca-Cola, não tem uma representatividade física imediata, daí a justificativa para ser um bem intangível.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  3. Ivone Rogatti da Cruz 27 de outubro de 2011 at 22:01 #

    Estou cursando atualmente Administração Empresarial
    E me ajudou muito seu comentário sobre conceito de ativos intangiveis.
    Por isso gostaria que se for possível me passar também sobre Direitos e Obrigações de uma pessoa fisica.
    Fico no aguardo.
    Obrigado.
    Ivone/27/10/2011

  4. Guilherme 30 de outubro de 2011 at 18:05 #

    Olá, Ivone, grato pelos seus comentários!

    Quanto ao seu questionamento, podemos definir direitos como interesses subjetivos a uma pretensão, albergados pela ordem jurídica. Exemplos: o direito a um serviço público adequado, o direito de receber certidões de órgãos públicos etc. Já as obrigações consistem em deveres também regulados pela lei. Exemplos: dever de pagar o valor assumido em contrato, dever de respeitar a propriedade alheia etc. Você pode obter mais explicações a respeito em livros de introdução ao estudo do Direito.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  5. Investidor de Risco 25 de maio de 2012 at 19:26 #

    Espetacular este post… cada um entende de uma forma… a mensagem que entendi é o equilíbrio… ativos tangíveis e intangíveis são igualmente importantes e constroem uma base sólida para uma boa qualidade de vida…

  6. Guilherme 27 de maio de 2012 at 8:32 #

    Obrigado, IR!

    E você captou bem a mensagem: equilíbrio na construção dos patrimônios!

  7. Rosana 16 de julho de 2013 at 7:35 #

    Excelente artigo!
    Para mim o seu blog é um dos melhores que existem, pois leva às pessoas a refletirem sobre o que é realmente importante.
    Em uma época com apelo tão intenso ao consumo, às vezes damos muito valor ao dinheiro e esquecemos de outras coisas que são fundamentais ao nosso equilíbrio físico, mental e espiritual.
    Abraços!

    • Guilherme 16 de julho de 2013 at 16:32 #

      Muito obrigado pelas palavras, Rosana!

      Temos que buscar o equilíbrio em todas as áreas de nossa vida, e o dinheiro é só parte da equação.

      Abç!

  8. Arthur 12 de julho de 2015 at 16:42 #

    Excelente post Guilherme, ele vai ser muito útil para a reestruturação que estou planejando fazer em minha vida.

    Mas fiquei com algumas dúvidas:

    Aparecia estética, trabalho (fonte de renda), e investimentos, são ativos tangíveis ou intangíveis?

    • Guilherme 12 de julho de 2015 at 21:18 #

      Olá Arthur!

      Obrigado e fico feliz em saber que esse blog irá te ajudar na sua reestruturação de vida!

      Quanto à sua dúvida, vamos lá: aparência estética e trabalho são ativos intangíveis, pois são bens não físicos. A aparência se refere ao seu estilo de vida, e o trabalho se refere ao seu conhecimento aplicado a uma atividade com potencial para lhe remunerar.

      Já os investimentos são ativos tangíveis, pois são bens pecuniários que fornecem sustentação para que você possa viver com recursos materiais suficientes.

      Abraços!

      • Arthur 13 de julho de 2015 at 0:18 #

        Então Guilherme, a aparência que eu dizia, é no mesmo sentido que vc disse sobre a “imagem” no último parágrafo, antes do Resumo do artigo. Agora que reparei :p

        Abç!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Valores Reais » O dinheiro nunca deve mudar os valores básicos da pessoa… - 21 de janeiro de 2010

    […] tranqüilidade para usufruir outras coisas, outros valores (normalmente os valores intangíveis, já mencionados em outro tópico). Pode até ser que ela mude um pouco seus hábitos, se dando alguns “luxos”, mas isso não […]

  2. Valores Reais » Resenha: Dinheiro e Vida, de Joe Dominguez e Vicki Robin - 1 de fevereiro de 2010

    […] vida com ativos tangíveis em quantidade suficiente para aproveitar a vida, se a sua própria vida, ou seus ativos intangíveis, não estiverem disponíveis em quantidade suficiente para serem igualmente […]

  3. Valores Reais » A verdadeira essência do conceito de independência financeira - 14 de fevereiro de 2010

    […] E esse é o grande erro, devo dizer, de grande parte do que é publicado por aí a respeito do conceito de independência financeira: eles priorizam o objeto – ter renda passiva suficiente para cobrir suas despesas – em detrimento do sujeito – a vida da pessoa. Ao fazerem isso, eles diminuem o seu campo de visão e, consequentemente, limitam seu raio de ação, que passa a ter como meta quase que obsessiva apenas o ganho de patrimônio tangível, colocando em plano inferior seu patrimônio intangível. […]

  4. Valores Reais » O que, no final das contas, vai importar - 2 de abril de 2010

    […] Já abordamos isso em outro tópico, e voltamos a falar aqui: se você quiser que sua vida faça sentido, terá que se esforçar também na construção de um patrimônio de ativos intangíveis, cujo “portfólio” é constituído de tantos outros valores imateriais que o dinheiro literalmente não pode e jamais comprará: uma boa família, amigos genuínos, satisfação no trabalho voluntário, energia renovada na prática de exercícios físicos… […]

  5. Valores Reais » A relação com os filhos como fonte de energia positiva de impulso - 6 de maio de 2010

    […] Há pais que investem para os filhos. Há pais que investem nos filhos. O ato de criação não deve ser terceirizado. Muito embora planos de saúde, planos de previdência privada, formação em escolas particulares etc., sejam medidas que contribuam para garantir o melhor desenvolvimento dos filhos, existe um componente que jamais pode ser negligenciado nessa tarefa, que é o comportamento presente e ativo dos pais nessas áreas. Não adianta garantir um investir dinheiro numa boa escola particular, se não houver acompanhamento das provas, das tarefas escolares, do boletim. Não adianta ter plano de saúde se você não se atenta para os sinais de febre que o pimpolho acusa. Não adianta investir na previdência privada se o futuro dele, em termos de acompanhamento no desempenho escolar, por exemplo, fica totalmente relegado a segundo plano. Os dividendos gerados pelo investimento nos filhos proporcionam os mais altos índices de satisfação e bem-estar que nenhuma crise econômica poderá apagar, simplesmente porque eles ficam impregnados no patrimônio intangível do filho, e não no tangível. […]

  6. Valores Reais » No que você quer crescer quando ser? - 8 de junho de 2010

    […] do patrimônio, que não seja o financeiro, em que você poderá crescer e multiplicar: é o patrimônio de ativos intangíveis. Talvez você queira ser um profissional de sucesso não apenas em função do aumento de salário, […]

  7.   A verdadeira essência do conceito de independência financeira by Dr. Lincoln Andrade - 13 de setembro de 2013

    […] E esse é o grande erro, devo dizer, de grande parte do que é publicado por aí a respeito do conceito de independência financeira: eles priorizam o objeto – ter renda passiva suficiente para cobrir suas despesas – em detrimento do sujeito – a vida da pessoa. Ao fazerem isso, eles diminuem o seu campo de visão e, consequentemente, limitam seu raio de ação, que passa a ter como meta quase que obsessiva apenas o ganho de patrimônio tangível, colocando em plano inferior seu patrimônio intangível. […]

  8. A verdadeira essência do conceito de independência financeira - 15 de março de 2015

    […] E esse é o grande erro, devo dizer, de grande parte do que é publicado por aí a respeito do conceito de independência financeira: eles priorizam o objeto – ter renda passiva suficiente para cobrir suas despesas – em detrimento do sujeito – a vida da pessoa. Ao fazerem isso, eles diminuem o seu campo de visão e, consequentemente, limitam seu raio de ação, que passa a ter como meta quase que obsessiva apenas o ganho de patrimônio tangível, colocando em plano inferior seu patrimônio intangível. […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes