Sair da zona de conforto: perigos, paradoxos, objetivos e vantagens

Uma brevíssima história da evolução de um ser humano

Quando eu estava na faculdade, um professor disse um conceito de “pessoa” que ficou gravado na minha memória:

“Pessoa é todo ser nascido de mulher”

Imagine, então, que antes de vir ao mundo você estava na barriga de sua mãe. Você era um feto, num ambiente propício para o desenvolvimento das principais estruturas de uma pessoa. Mas para vir ao mundo, você precisou romper uma zona de conforto. E você contou com muitas pessoas para lhe ajudarem nessa empreitada. Conscientemente, você não fez nada.

Já quando bebê, e depois criança, você ficava o tempo todo em casa. Aprendeu a andar, e depois, lentamente, começou a falar. Até que chegou um momento em que você precisou ir à escola. Sair do pequeno mundo constituído pelas paredes de sua casa. E, nesse momento, você precisou superar essa zona de conforto. Você tinha consciência do desconforto que isso lhe causava, e, por isso, talvez tenha chorado. Mas, para crescer na vida, era preciso superar essa adversidade.

Os anos foram se passando… ensino fundamental, ensino médio e … faculdade. Você morava numa cidade onde não tinha faculdade, ou passou no vestibular em uma faculdade que não se localizava em sua cidade. Você poderia optar por arranjar um trabalho próximo de sua casa, da casa de seus pais, ou então encarar o desafio de mudar de cidade, ainda que isso implicasse sair de sua zona de conforto. E você, tendo consciência de suas escolhas, resolveu topar o desafio. Quebrar uma zona de conforto. A essa altura, você sabia que desconfortável mesmo era ficar despreparado num mundo onde se exige cada vez mais qualificação das pessoas.

Os anos novamente se passam, e eis agora você, com o diploma na mão e… espere aí, uma proposta de emprego (ou aprovação num concurso público) para mudar de novo de cidade? Justo agora que você já estava estabilizado e até um pouco satisfeito com seu salário meia-boca? De novo o dilema: fico onde estou, confortável no meu sofá, mas sabendo que daqui não vou para lugar algum, ou encaro a ameaça (aparente) de perder o conforto, como uma verdadeira oportunidade de aumentar meus níveis de satisfação na vida? E lá vamos nós romper de novo esse quadrante de relativa tranquilidade…

O paradoxo da zona de conforto

Você já deve ter percebido o grande paradoxo da zona de conforto: se você ficar no conforto, você fica estagnado. Você não vai para frente. Alguém já disse, certa vez, e com razão, que a vida é uma marcha para frente. Até o ser humano, como espécie animal, experimenta uma lenta evolução ao longo dos milhões de anos. Ora, se até seu relógio biológico aponta para conquistas cada vez maiores, por qual motivo você haveria de, no seu plano psicológico, ficar parado, criatura? 😀

Nunca vá atrás de nada menos do que você é capaz de realizar, sob pena de poder estar desperdiçando oportunidades que você nunca mais terá lá na frente, quando suas condições físicas ou mentais já não estiverem tão boas como estão hoje. Em outros termos, você deve encontrar o valor de aproveitar as oportunidades enquanto elas ainda estiverem disponíveis. Tudo na vida é uma questão de escolha, e cabe a você decidir se vale a pena pagar o preço do comodismo.

O objetivo de sair da zona de conforto

Mas por qual razão uma pessoa sairia de sua zona de conforto, se lá estão tão bom? Quem sai da zona de conforto não foca em aumentar o desconforto, mas sim em ampliar os níveis de conforto. Pode parecer um paradoxo – o segundo – mas é realmente. A questão-chave aqui é que o desconforto é apenas temporário, mas o conforto ampliado é para sempre. Pense naquelas aulas chatas que você é obrigado a frequentar apenas para ter o diploma. Elas vão passar. Mas o diploma, uma vez conquistado, é para sempre. Pense naquelas horas que você gasta estudando para o concurso. Elas vão passar. Mas o seu cargo é para sempre. Pense no desconforto que representa a abdicação de gastar mais do que ganha, e de reservar uma parte de seu salário para investimentos. Esse desconforto é temporário. Mas a sua tranquilidade financeira estará assegurada de modo vitalício.

A nossa vida pode ser visualizada como um grande conjunto de círculos concêntricos, em que cada novo círculo acrescentado representa um ganho adicional de conforto e segurança. Sair de seu círculo de conforto exigirá esforço, dedicação e disciplina, mas outra coisa não representa senão a de aumentar a satisfação com sua própria vida.

As vantagens de sair da zona de conforto

Sair de sua zona de conforto lhe permite se lançar a novos desafios, exercitar suas habilidades, concentrar-se em atingir suas metas, escalar degraus e conquistar patamares superiores e cada vez mais altos, à altura de suas competências e compatíveis com seu mérito e sua capacidade.

Como vimos no começo desse texto, para que você progredisse na vida, como ser humano, foi preciso superar a zona de conforto em  que você estava: na barriga de sua mãe, no seu lar doce lar, na cidade onde você morava… o curioso é que, à medida que o tempo foi passando, foi aumentando também o seu grau de consciência na superação de cada nova barreira.

Ou seja, a cada nova etapa vencida, você não só adquiria novas habilidades, como também aumentava os limites dentro dos quais podia se mover. O resultado disso tudo é que sair da zona de conforto lhe permite aumentar o grau de controle de seu próprio destino. E, quanto mais desafios você se propuser a fazer, mais conquistas serão incorporadas ao seu patrimônio de vida, pois, como vimos acima, o desconforto é apenas temporário, mas o conforto ampliado é para sempre.

Obstáculos

Se sair da zona de conforto é tão bom assim, por quê muitas pessoas simplesmente ficam onde estão? Há duas razões principais para isso. A primeira é a inércia. As pessoas preferem ficar paralisadas diante de uma ação que possa modificar o curso de suas vidas porque… bem, porque já estão numa zona de conforto. “Pra quê mudar?”, dizem elas, e aí começam a arranjar desculpas para se manterem na situação de passividade.

A segunda e mais importante razão que impede as pessoas de saírem de suas áreas de conforto é o medo de fazer mudanças. Como Jonathan Fields afirma, no excelente livro Uncertainty: Turning Fear and Doubt into Fuel for Brilliance,é o medo do julgamento de outras pessoas. Elas se apavoram diante da idéia de mudança, afinal, “se onde estou está tão bom, pra quê mudar?”, dizem elas, e aí, além de arranjar desculpas para se manterem na inércia, elas ainda só apontam os aspectos negativos de sair da zona de conforto, omitindo completamente dos benefícios da mudança. Ou seja, são pessoas que se prendem às circunstâncias, em vez de focarem em seus objetivos. Você certamente conhece pessoas assim.

Uma longa caminhada começa com o primeiro passo

E então, o que fazer para superar esses obstáculos que impedem as pessoas de melhorarem de vida? Simples: nós detectamos que as barreiras que fazem as pessoas desistirem de seus sonhos são de caráter puramente mental: inércia e medo. Logo, o antídoto, a vacina, para curar esse problema, também há de ter a mesma natureza, não só para neutralizar esse tipo de comportamento, como também para substituí-lo. E esse antídoto se resume a uma palavra: acredite.

Você precisa acreditar que, apesar de já ter conquistado algumas coisas, pode conquistar muito mais. A solução não está fora de você, mas dentro de seu coração. Ela habita nos seus sonhos, e ela impulsiona nossas ações para convertê-los em realidade. Você tem que acreditar. Chega de ficar se remoendo pelo passado, afinal, seus erros e circunstâncias do passado não tem nada a ver com seu presente, com sua vida, aqui e agora, e sua vida futura.

Os olhos e a cabeça foram projetados, em nossa estrutura anatômica, para frente. Se é assim com nossas funções biológicas, por quê não haveria de ser também com nossas funções psicológicas? Não vá contra as leis da natureza, mas aja de acordo com elas. E elas determinam que se olhe para o futuro. Acreditando que é possível modificá-lo. E para melhor.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

,

25 Responses to Sair da zona de conforto: perigos, paradoxos, objetivos e vantagens

  1. Vida Boa Investimentos 13 de dezembro de 2010 at 0:48 #

    Ótimo texto Gui!!

    Caiu como uma luva para mim hoje!!!!

  2. Sueli 13 de dezembro de 2010 at 1:41 #

    Uau!Caiu como uma luva para a situação na qual estou passando!Afinal para que se demitir (Japão) e ir atrás de algo incerto no Brasil se no presente tenho conforto , carro zero e salário compatível com seu nível de vida?Simplesmente porque quero dar um futuro melhor para nossa filha!E isso resultaria em sair da nossa zona de conforto!

  3. Gisely Chessed 13 de dezembro de 2010 at 7:42 #

    Sair da zona de conforto é fundamental para o crescimento, tira a monotonia e dá um sentido de aventura às tarefas, por vezes, corriqueiras.

  4. Jônatas 13 de dezembro de 2010 at 8:18 #

    Guilherme,

    Belo texto para começarmos a semana…

    Abraço!

  5. João 13 de dezembro de 2010 at 10:29 #

    Grande texto!

    Obrigado

  6. Finanças Inteligentes 13 de dezembro de 2010 at 11:49 #

    Que beleza ler um texto desses em plena segunda-feira!

    Obrigado

    Abcs,

  7. Francisco Águas de Merom 13 de dezembro de 2010 at 16:25 #

    Excelente!

    sds,

  8. Jonas 13 de dezembro de 2010 at 18:57 #

    No caminho evolutivo, ficar parado já significa andar pra trás, afinal, o tempo não para, e a fila anda.
    Sensacional. Muito bom mesmo, parabéns. 😉

  9. Luís Cláudio 14 de dezembro de 2010 at 9:10 #

    Parabéns pelo excelente texto. Compartilho este pensamento.

  10. Guilherme 14 de dezembro de 2010 at 9:55 #

    VBI, valeu!

    Sueli, parabéns pela sua iniciativa! Esse é sem dúvida um dos motivos mais nobres para sair da zona de conforto!

    Gisely, gostei da ideia de criar um sentimento de aventura. É bem por aí mesmo!

    Jônatas, JOão, F.I. e Francisco, obrigado!

    Jonas, bela frase! Aliás, uma honra saber que você é leitor do VR!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  11. Diego Lacerda 17 de dezembro de 2010 at 1:24 #

    Excelente texto, Guilherme!
    Aproveito para dar os parabéns por esse excelente blog que você tem. Venho acompanhando diariamente a mais de 1 mês e a cada dia que passa gosto mais.

    Um abraço!

  12. Guilherme 19 de dezembro de 2010 at 14:36 #

    Obrigado pelas palavras, Diego!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  13. Andreia 27 de maio de 2011 at 23:49 #

    Show de bola! Adoerei! Bem… e como vc pediu para avisar sobre algum eventual( já que vc escreve tão bem!) erro de português, notei que vc escreveu: “quanto mais desafios vc se propor…” Na verdade a forma verbal correta nesse caso é propuser.

    Abraços! Fique com Deus!!!

  14. Guilherme 29 de maio de 2011 at 19:38 #

    Obrigado, Andreia! Correção realizada! Fique à vontade para continuar registrando erros que eu porventura tenha cometido em outros textos. Quero aprimorar cada vez mais o uso dessa ferramenta chamada língua portuguesa!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  15. moreno 10 de junho de 2012 at 0:20 #

    Havia um pássaro a beira de um penhasco, ele tinha medo de voar. Foi quando o vento o empurrou para o precipicio, que ele acreditou na sua capacidade de voar, e, assim, se libertou da ‘gaiola imaginária’

  16. simone 15 de dezembro de 2012 at 10:09 #

    Acabei de encontrar este blog e ja estou a quase 2 horas indo de um artigo a outro de tao interessantes. Parabens, Pelos artigos ,resenhas , dicas, enfim, parabens pelo OTIMO conteudo!
    Vou segui-lo
    Obrigada
    Simone

    • Guilherme 30 de maio de 2013 at 14:23 #

      Muito obrigado pelo tempo e pelas palavras, Simone!!!

      Abç!

  17. Alberto Porto 30 de maio de 2013 at 13:59 #

    Sem palavras para descrever quão bom o texto é. Respondeu a muitas dúvidas que eu tinha.
    Parabéns ao escritor.

    • Guilherme 30 de maio de 2013 at 14:23 #

      Muito obrigado pelas palavras, Alberto!

      Abç!

  18. Daniel 8 de outubro de 2018 at 22:07 #

    “Os olhos e a cabeça foram projetados, em nossa estrutura anatômica, para frente.”

    Vamos nessa Gui. Devo dar o primeiro passo. O importante e eu me mexer.

    Obrigado.

    • Guilherme 9 de outubro de 2018 at 15:50 #

      Exato, Daniel, o mundo é de quem tem iniciativa!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Giga Dicas - 18 de dezembro de 2010

    RT @RCPSoares: #dica para este sábado: Saia de sua zona de Conforto! http://migre.me/31FER

  2. Por que você resiste às mudanças? « Valores Reais - 6 de agosto de 2012

    […] Essa é a grande armadilha de ficar na zona de conforto. Pois, como eu já disse em outro post, Sair da zona de conforto: perigos, paradoxos, objetivos e vantagens, “se você ficar no conforto, você fica estagnado. Você não vai para frente”. Mas […]

  3. A Escolha Certa » » Conversando com o futuro que eu anseio - 25 de setembro de 2018

    […] já disse isso em outro artigo, e volto a repetir isso aqui: saia de sua zona de conforto, e não desperdice cada chance que tiver de explorar novas perspectivas para sua vida. Nos anos 70, […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes