[Guest post] O que eu aprendi depois de 2 anos investindo em ações com foco no longo prazo

Hoje o blog Valores Reais tem o orgulho de apresentar mais um guest post vindo de um de seus leitores e parceiros da blogosfera financeira.

Trata-se do leitor e xará Guilherme Silveira, autor do blog Lucrando na Bolsa, que contará o que aprendeu após dois anos investindo em ações com o foco no longo prazo.

Sabemos que a Bolsa de Valores tem ganhado destaque nas últimas semanas, e muitas pessoas se perguntam se vale a pena investir em ações.

Como eu gosto de dizer, o melhor investimento que você deve fazer é priorizar o investimento em sua educação financeira, ou seja, o investimento em sua mente, antes propriamente do investimento financeiro.

É a partir da aprendizagem, entrelaçada com sua experiência prática, que você conseguirá nortear melhor as suas decisões de investimentos.

E o texto de hoje cai como uma luva para todos aqueles leitores iniciantes que pretendem iniciar sua trajetória no mercado de ações.

Acompanhem!

……………………………..

“Quando falamos sobre Bolsa de Valores, sempre surgem várias frases, como:

“Bolsa de Valores é loteria”, “Investir em Ações é arriscado”, “Ganhar dinheiro na bolsa é apenas para ricos”.

Sou criador do Blog Lucrando na Bolsa e neste artigo eu vou te contar o que aprendi depois de 2 anos investindo em ações, e vou te provar que todas essas frases não passam de boatos.

Hoje vou ajudar você não apenas a se educar financeiramente, mas também desenvolver o hábito de investir em ações com foco no longo prazo na condição de sócio e parceiro das companhias.

Acredite: Na Bolsa não existe dinheiro fácil!

Então, continue aqui comigo porque vou lhe passar o meu melhor conteúdo!

A Bolsa é para qualquer um

A primeira coisa que eu aprendi foi que qualquer pessoa pode investir na Bolsa de Valores. Não precisa ser empresário, rico, milionário ou algo do tipo.

No Brasil, foi criada a cultura de investir apenas em renda fixa, em títulos como Tesouro Direto, CDB, LCI e até mesmo caderneta de poupança. A verdade é que, se você quiser obter um bom retorno no longo prazo, terá que diversificar seus investimentos também em renda variável.

Quando eu digo que investir na Bolsa é para qualquer um, não estou dizendo que se trata de algo fácil, mas sim de algo acessível para grande parte da população.

Agora, vou te falar sobre alguns dados preocupantes.

No Brasil, há mais pessoas na cadeia do que na Bolsa de Valores.

Essa matéria que saiu na Infomoney comprova o que estou falando. Apenas 0,29% dos brasileiros estão ativamente na B3 comprando e vendendo ativos.

Você sabia que, nos Estados Unidos, quase 70% da população tem ações de empresas da Bolsa de Valores Americana? Isso quer dizer que, em uma rodinha com 10 amigos, 7 deles investem na Bolsa.

O Passo a Passo para você começar a investir aqui no Brasil e ajudar a mudar esse panorama é o seguinte:

  1. Separe um dinheiro que você não vai precisar usar nos próximos anos;
  2. Pesquise na Internet e encontre uma corretora de valores com taxas acessíveis;
  3. Faça o cadastro na Corretora e envie o seu primeiro depósito para a conta;
  4. Acesse Blogs e Casas de análises independentes e leia relatórios de analistas sobre as melhores ações da Bolsa;
  5. Acesse o Home Broker, escolha de 3 a 5 ativos de setores diferentes e comece a investir.

Como no começo da jornada de investir você não possui muitos recursos, é recomendado começar comprando ações no lote fracionário mesmo, que vai de 1 a 99 ações.

Investir na Bolsa é Loteria?

A resposta para essa pergunta é: DEPENDE!

Se a Bolsa vai ser ou não uma loteria para você vai depender da forma que escolher investir. Certamente você já deve ter visto na Internet aqueles anúncios malucos falando sobre ganhar 10 mil reais por dia ou mais através do Day Trade.

A grande verdade é que o Day Trade é loteria. Por mais que existam métodos de análise gráfica, nunca será possível prever com 100% de certeza que um ativo vai subir ou cair.

Por outro lado, temos os investidores de longo prazo com foco na análise fundamentalista e dividendos. Quem investe dessa forma está bem longe de enxergar a Bolsa como uma loteria.

O motivo é bem simples: Você vai investir com base em fundamentos sólidos e se eles não se mantiverem ao longo do tempo, basta você vender as ações e parar de perder dinheiro.

No entanto, com uma análise fundamentalista bem feita, dificilmente você irá precisar vender ativos, mas sim guardá-los ao longo do tempo e ir colhendo os frutos, como dividendos, juros sob capital próprio, bonificações e outras vantagens que apenas o sócio investidor possui.

Conclusão

Investir de forma consciente na Bolsa de Valores não é algo fácil, mas com certeza é simples!

Antes de começar a comprar ativos, é recomendado que você estude – com calma – os setores que são mais rentáveis e se torne um verdadeiro especialista neles. Se você ficar muito bom estudando o setor bancário, será muito mais fácil investir e ter lucro com ações de bancos. Isso vale para qualquer outro setor.

As ações estão lá rendendo dinheiro para quem investir com foco no longo prazo, e o melhor de tudo é que isso é acessível para qualquer pessoa. Basta ter um cadastro em uma corretora e estudar um pouco antes de sair comprando ativos.

Aqui vai a última dica:

Não siga tudo o que os outros falam. Não vá atrás da manada. Não compre uma ação só porque leu em algum fórum alguém falando que ela ia subir.

Fazendo isso você estará evitando erros que eu cometi quando comecei a investir há 2 anos.

Agora, preciso saber a sua opinião!

O que achou desse artigo? Compartilha comigo aqui nos comentários qualquer dúvida ou sugestão sobre investir com foco no longo prazo!”

…………………………………..

Sobre o autor: Guilherme Silveira é um dos fundadores do Blog Lucrando na Bolsa, site que tem como missão ajudar investidores a escolher as melhores ações da Bolsa de Valores com foco no longo prazo.

…………………………………..

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

25 Responses to [Guest post] O que eu aprendi depois de 2 anos investindo em ações com foco no longo prazo

  1. sandro 29 de outubro de 2018 at 14:43 #

    Eu consideraria o DayTrade como uma loteria estudada, segundo pesquisei, os bons traders acertam menos de 60% das vezes. E para serem bem sucedidos com uma taxa tão baixa é necessário, além de acertar o momento de entrada, definir os limites superiores (ganhos) e inferiores (perdas) muito bem. Diferente de uma loteria padrão em que você aposta e reza. Além do que tem um lado emocional muito mais forte e demanda muito mais tempo acompanhando os ativos.
    Por isso prefiro o fundamentalista para enriquecimento de longo prazo, bem mais tranquilo.

    • Guilherme 29 de outubro de 2018 at 17:29 #

      Sem dúvida, Sandro, ficar e focar na análise fundamentalista é o que tende a gerar mais retornos a longo prazo – além de fazer valer a máxima de o dinheiro trabalhar para você, e não o contrário (você trabalhar pelo dinheiro, que é o que o trader faz).

  2. Maria 29 de outubro de 2018 at 15:58 #

    Tenho muita vontade de investir na bolsa mas tenho um medo que me impede. Não é medo de perder dinheiro, porque diversificando se dilui os riscos. O que me impede de tentar iniciar é o imposto de renda. Essa necessidade de fazer planilha mês a mês de tudo, calcular e pagar DARF…e se fizer errado a Receita cai em cima, tem que justificar, corrigir. Enfim, ja pesquisei sobre o assunto mas achei confuso, e contratar contador só por conta disso seria necessário?

    • Guilherme 29 de outubro de 2018 at 17:31 #

      Maria, para vencer esse medo uma alternativa são os fundos de ações (FIAs), em que o IR é retido automaticamente na fonte, e você evita todos esses ônus citados.

    • Sandro 30 de outubro de 2018 at 8:01 #

      Existem sites onde você registra as operações e eles calculam os impostos a pagar, prejuízos a compensar, emitem o DARF, etc. Eu uso o Mycapital, pago 1 real por operação registrada. Tem corretoras que cobram esse serviço de forma adicional (caso você assine esse produto). E concordo com o Guilherme, com fundos não tem que fazer nada já que é tudo retido na fonte.

  3. Pedro 29 de outubro de 2018 at 16:02 #

    Seguir analista nao! Pelamordedeus…

    • Guilherme 29 de outubro de 2018 at 17:31 #

      Os analistas servem mais para ratificar ou refletir melhor sobre certas decisões de investimentos. Funcionam mais como pontos de apoio, e mesmo assim devem ser vistos com reservas, dados os inúmeros erros que cometem nas análises.

      O negócio é buscar fazer sempre análises próprias e independentes.

  4. Paulo Lucas 29 de outubro de 2018 at 21:29 #

    Excelente postura, parabéns Guilherme e Guilherme. Kkkkkkkkkk
    Ainda estou solidificando meu patrimônio, 25 anos de idade e somente 4 de atividade remunerada. Mas assim que construir um sólido ativo irei diversificar. Enquanto isso seguem os estudos.

    • Guilherme 1 de novembro de 2018 at 13:45 #

      Parabéns, Paulo, o importante é começar bem cedo, algo que acelerará seu caminho rumo à IF!

  5. Valter Ribeiro 30 de outubro de 2018 at 11:16 #

    Aqui no Brasil, exceto em alguns casos muitos específicos, eu considero que o investimento a longo prazo em ações poucas vezes compensa. Escrevi um post chamado “Renda Fixa realmente rende pouco?” (https://daxinvestimentos.com/renda-fixa-realmente-rende-pouco/) no qual comparo o desempenho das ações da VALE e PETRO com investimentos simples de renda fixa e, em ambos os casos, a renda fixa foi melhor.
    Logicamente algumas outras ações devem ter conseguido melhor desempenho, mas, no geral, como o mercado brasileiro varia além do que deveria, as altas e perdas no longo prazo, muitas vezes, apenas mantem o preço das ações em um certo padrão.
    Muitos dizem que o segredo é diversificar. Contudo, se na sua carteira você possui ações com rentabilidade positiva e outras negativas, no final, a tendência é que a rentabilidade efetiva não seja muito diferente de uma renda fixa comum. Soma-se a isso o fato de, nessa última, você não correr riscos quanto a variação de preço.
    Na minha opinião, nem mesmo uma análise fundamentalista é capaz de “prever” um aumento do preço das ações, pois, no Brasil, basta uma notícia qualquer, econômica ou política, para os preços despencarem. Eles certamente vão subir depois, mas, no futuro, com qualquer outro “distúrbio” voltam a cair. Enfim, no geral os preços apenas se mantem em uma determinada faixa de preço.
    Eu prefiro identificar momentos de compra e de venda. Contudo, tenho consciência de que essa estratégia não funciona para todos, principalmente por falta de tempo e/ou conhecimento. Além disso, claramente é uma estratégia arriscada na qual deve-se saber muito bem o que se está fazendo, além de, por vezes, ser necessário muito sangue frio.
    Abraço e parabéns pelo conteúdo.

    • Eduardo 30 de outubro de 2018 at 16:39 #

      Tendo a concordar, some-se a isso que os juros no Brasil são mais altos do que em países desenvolvidos, o que permite obter uma boa remuneração com baixos ricos. Para exemplificar, o retorno acumulado do tesouro selic supera em muito o do ibovespa desde a implantação do plano real.(http://www.aposenteaos40.org/2018/09/simulacao-tsr-4-no-brasil-investindo-em.html)

      Abraços

    • Douglas 31 de outubro de 2018 at 11:12 #

      Você tem toda razão. O país não cresce então as empresas não crescem. Não tem como lucrar na bolsa de valores. Bolsa só dá lucro com crescimento de empresas. Lucro somente não resolve. O lucro mantém o capital investido remunerado. As ações se mantém no mesmo valor. Ações só valorizam se a empresa cresce, compra outras, aumenta de tamanho, conquista novos mercados. Isso é capitalismo na veia e o brasil não tem isso.

      Ainda, lucro na renda fixa é ilusão. Se você vê um investimento na renda fixa que dobra seu capital em 5 anos, significa que daqui 5 anos seu dinheiro vale metade. É melhor do que nada, lógico, mas é investimento para manter a sua renda e não para lucrar. A inflação vai aos poucos corroendo a sua renda e a mente não acompanha isso. 1000 reais há 20 anos se transformaram em 100 reais de hoje e ninguém percebeu.

      Estive vendo umas ações nos EUA e ainda lá não é tão simples lucrar com ações. Hoje em dia eu acho que a especulação está ainda maior. Antigamente você tinha uma fábrica, produzia produtos e vendia. Ai está o lucro, fácil de analisar. Hoje paga-se mais caro no Whatsapp ou Facebook que não produz 1 clipe de papel do que em uma empresa como a Motorola que tem fábricas e investe em tecnologia e pesquisa, sendo detentora de várias patentes. Então o mercado está difícil de precificar. Ações da Disney estão patinando a anos, ainda que lucrando bilhões. GE caiu absurdamente, uma das maiores empresas do mundo. Netflix deve milhões, uma empresa de alcance mundial, produzindo filmes e séries com o melhores atores e escritores. Boa sorte entender tudo isso. Explicar o passado é muito fácil.

      • Guilherme 1 de novembro de 2018 at 13:48 #

        Excelentes comentários, Valter, Douglas e Eduardo.

        Adicionalmente, devemos nos lembrar que o Brasil viveu um período muito crítico para o controle da inflação no começo dos anos 2000, o que distorce um pouco a comparação a favor da renda fixa.

        Acho que a tendência, para as próximas décadas, com controles responsáveis da inflação e dos juros, é o pêndulo oscilar a favor dos investimentos em Bolsa, agora que a Bolsa, também ela, está mais diversificada em empresas privadas de excelente desempenho, e não tão concentrada em estatais, como era antigamente.

        Abraços a todos!

  6. Isabela 1 de novembro de 2018 at 8:53 #

    Isso é tudo muito relativo.No meu caso, tenho ganho muito mais na Bolsa do que em investimentos de renda fixa. É questão de estudos, paciência, estômago para saber que desce mas depois retoma e ultrapassa de valor. É basicamente saber (através de estudo e experiência – prática) comprar na baixa e vender na alta.
    A questão do IR em ações realmente é chato. Mas os ganhos maiores compensam o tempo perdido fazendo planilhas e pagando DARFs mensalmente.

    • Guilherme 1 de novembro de 2018 at 13:49 #

      Verdade, Isabela, o verdadeiro risco está naquilo que você não conhece.

      E a tendência é a Bolsa ficar cada vez mais atrativa, caso as reformas estruturais melhorem o ambiente macroeconômico e a renda da população volte a ter ganhos reais.

  7. EDUARDO RICARDO OLIVEIRA DA VEIGA 6 de novembro de 2018 at 9:30 #

    Vejam esse artigo: Compre em novembro e venda em Maio. https://degraoemgrao.blogfolha.uol.com.br/2018/11/04/conheca-a-estrategia-que-rendeu-mais-de-tres-vezes-o-cdi/

  8. Luiz Guimarães 13 de novembro de 2018 at 10:09 #

    Bom dia!

    Saudações a este blog excelente. Tenho pouco dinheiro para investir e compensa eu investir em ações? Pois sempre compraria poucas ações pelo lote fracionário em vez do lote padrão.
    Li em outro lugar dizendo que quem tem pouco dinheiro compensa mais investir em Tesouro Direto para escapar do mercado fracionário de ações. Podem me ajudar?

    Obrigado!!

    • Guilherme 14 de novembro de 2018 at 13:09 #

      Compensa se você tiver objetivos não financeiros para os quais as ações sejam uma alternativa viável.

      Leia esse post, pode te ajudar => valoresreais.com/2016/10/24/eu-tenho-x-reais-para-investir-onde-devo-aplicar-qual-e-o-melhor-investimento/

      • Luiz Guimarães 14 de novembro de 2018 at 14:21 #

        Guilherme, boa tarde!

        Então por agora não compensa eu investir em tesouro direto nem em ações (sou parecido com o que você diz que “ganha R$ 1.200,00 por mês” no artigo que você me indicou haha) e sim investir em educação financeira?

        Meu objetivo era acumular ações a longo prazo ou, no mínimo, proteger da inflação o dinheiro, mas vejo que fazendo essas perguntas demonstra o quão por fora ainda estou de decidir pelos meus investimentos.

        Obrigado

        • Eduardo 14 de novembro de 2018 at 14:56 #

          pra começar, acho q aplicar na NuConta (a conta do cartão Nubank) já é uma boa, pois rende 100% do CDI. Para independência financeira mais importante que a rentabilidade é gastar menos do que ganha e fazer aportes regularmente.

        • Guilherme 15 de novembro de 2018 at 13:55 #

          Olá Luiz!

          Você precisa investir em educação financeira antes de qualquer coisa por um motivo bastante simples: é impossível tomar boas decisões sem antes ter o conhecimento que o motive a tomar tais decisões.

          Tomar decisões sem conhecimento significa assumir riscos desnecessários, significa se arrepender por alguma decisão que tomou com base na euforia ou em outro motivo qualquer etc.

          Daí a importância de você estudar antes de investir em TD ou ações: para ter qualidade em suas decisões.

          • Luiz Guimarães 16 de novembro de 2018 at 11:53 #

            Guilherme, boa tarde!

            Os livros estrangeiros ensinam muita coisa na prática de como tomar minhas decisões na Bovespa? Pois os produtos daqui são diferentes dos de lá.
            Qual a vantagem de ler livros estrangeiros em se tratando de adquirir aprendizado para tomar decisões de investimento aqui no Brasil?

            Obrigado,

            • Guilherme 17 de novembro de 2018 at 21:17 #

              Boa noite, Luiz!

              A vantagem é: aprendizado de princípios. As empresas podem ser diferentes, a economia local pode ser diferente, mas os princípios são universais, atemporais e válidos onde quer que sejam aplicáveis.

              Uma boa bagagem de princípios ajuda muito a tomar decisões bem informadas.

              Abraços!

              • Luiz Guimarães 29 de novembro de 2018 at 13:19 #

                Obrigado!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes