8 novidades do Tesouro Direto que você precisa conhecer! (a quarta é a maior delas, mas a oitava também é bastante útil)

Na área de investimentos em renda fixa no Brasil, o Tesouro Direto ocupa posição privilegiada, não só em função da segurança que proporciona, sendo o investimento com risco de crédito mais baixo disponível no mercado, mas também pelas elevadas taxas de rentabilidade oferecidas, que já foram devidamente exploradas aqui no blog nos artigos A matemática não mente – Parte 2! Tesouro Direto está dando um banho nos fundos de renda fixa dos bancos de varejo e A matemática não mente: Tesouro Direto está dando um banho nos fundos dos bancos de varejo. Desde que…, cujas leituras recomendo fortemente.

E, num cenário econômico onde predominam juros elevados e inflação em alta, com deterioração do PIB e perspectivas negativas acerca do crescimento das empresas e de setores vitais da economia, como os da construção civil, varejo e consumo, que impactam diretamente (e negativamente) o investimento em ações e fundos imobiliários, investir em opções conservadoras tornou-se quase um imperativo nessas épocas de “vacas magras”.

Nesse contexto, são muito bem-vindas as melhorias recentemente implantadas no Tesouro Direto, algumas de interesse maior dos iniciantes, e outras de interesse maior dos investidores mais avançados, mas todas positivas para incentivar o investimento nesse tipo de ativo, que ainda ocupa parcela muito pequena da carteira dos investidores pessoas físicas, não obstante as inegáveis vantagens oferecidas. Se você quiser saber mais sobre o Tesouro Direto, recomendo fortemente a leitura de um artigo fenomenal escrito pelo meu amigo Thiago Nigro, do blog O Primo Rico.

Descrevo abaixo as 8 principais novidades do Tesouro Direto.

1. Repaginação do site.

Como o Tesouro Direto é um investimento 100% eletrônico, que não pode ser feito por outro meio que não a Internet, é indispensável que a interface seja amigável, simples e intuitiva.

Usuários novatos certamente teriam dificuldades em realizar o investimento no Tesouro Direto se o site não for elaborado de forma responsiva e clara.

Pensando exatamente nessas situações, o ambiente virtual foi reformulado, ficando mais fácil de usar.

Tesouro Direto - Novo visual

Outra novidade é a possibilidade de realizar as compras e vendas em tablets e smartphones:

“Além de repaginarmos o nosso site, deixando-o mais moderno, amigável e com uma melhor navegação, o ambiente de transações, exclusivo do investidor, também foi atualizado. Agora ele está mais intuitivo e com design responsivo. Isso significa que você poderá realizar seus acessos ao ambiente de compras do Tesouro Direto de onde estiver, via tablets, smartphones ou notebooks, usufruindo de toda a comodidade que essas plataformas trazem para você. “

A novidade veio em boa hora, uma vez que é um obstáculo a menos a ser enfrentado pelo investidor na hora de aplicar em títulos públicos.

2. Criação do Orientador Financeiro

Ainda dentro do contexto de facilitar a vida dos investidores iniciantes, o Tesouro Nacional criou uma ferramenta chamada Orientador Financeiro, que se destina a auxiliá-los na escolha do título mais adequado aos seus objetivos não-financeiros:

“Ainda, pensando em ajudá-lo no momento da escolha do melhor título para investir, criamos o Orientador Financeiro, uma ferramenta que é capaz de conduzi-lo ao título ideal segundo seus objetivos financeiros, seu horizonte de investimento e sua tolerância a riscos. É mais um facilitador que o Tesouro Direto criou para descomplicar a sua vida”.

Trata-se de um questionário onde você responde às perguntas de acordo com seus objetivos, e, no final, ele apresenta o papel mais compatível com seu perfil de uso.

Tesouro Direto - Orientador Financeiro

3. Mudança nos nomes dos títulos

Nomes complicados sempre dificultam e afastam o investidor iniciante das aplicações financeiras, e, numa cartada “a la Apple”, o Tesouro resolveu, em boa hora, trocar os nomes dos títulos, substituindo as “sopas de letrinhas” por nomes praticamente auto-explicativos:

“Mas as novidades não param por aí! Criamos novas nomenclaturas para os títulos públicos, mais simples e autoexplicativas, em que as principais características dos títulos já são identificadas em seus próprios nomes: tipo de rentabilidade, fluxo de remuneração e prazo de vencimento. No entanto, as siglas anteriores foram mantidas vinculadas aos novos nomes para não confundir os investidores atuais. Veja como ficou:”

Tesouro Direto - Novos Nomes

Para investidores mais avançados, essa mudança poderia soar como “perfumaria”, mas, para quem nunca ouviu falar em Tesouro Direto, a mudança na nomenclatura certamente facilitará o aprendizado e contribuirá para um entendimento mais rápido de como funcionam os títulos públicos.

Para mim, trata-se de uma mudança extremamente positiva. Quem nunca ouviu falar de LTN e LFT não saberia dizer qual deles seria pré e pós-fixado, mas Tesouro Prefixado e Tesouro SELIC já dão a resposta nos próprios nomes, assim como Tesouro IPCA+. Ponto para o Tesouro Direto.

4. Liquidez diária

Aleluia! Aleluia! A mudança mais importante – e certamente a mais desejada por boa parte dos investidores – foi implementada: a possibilidade de venda diária dos títulos. A tão desejada liquidez diária:

“Atendendo aos anseios dos investidores e agentes participantes, o Tesouro Direto implementou a recompra diária para os títulos públicos negociados nesse Programa. Com essa nova regra, você poderá vender os seus títulos para o Tesouro Nacional todos os dias, sem dor de cabeça, o que significa muito mais conveniência e flexibilidade para você.

Para isso, basta acessar a área restrita ao investidor a partir das 18h, nos dias úteis, e dar o comando de venda dos papéis que desejar até às 5h do dia seguinte. Nos fins de semana e feriados, você poderá vender seus títulos em qualquer horário. Em todos os casos, as transações serão executadas utilizando os últimos preços de fechamento de mercado disponíveis.

Sua transação será processada no dia útil posterior à ordem de venda, (D+1), quando os recursos oriundos dessa operação serão repassados para a sua instituição financeira. Essa, por sua vez, repassará esses recursos para você dentro do prazo previsto no seu regulamento.

O agendamento de venda poderá ser realizado a qualquer dia e hora, inclusive feriados e fins de semana. Só que agora, com a liquidez diária, você poderá agendar suas vendas para qualquer dia, e não apenas para às quartas-feiras. Os recursos provenientes dessas operações serão depositados na sua instituição financeira no dia útil subsequente à data programada para a transação, seguindo o mesmo fluxo de uma venda normal.

Nas quartas-feiras em que houver reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM), somente o Tesouro Selic (LFT) estará disponível para recompra pelo Tesouro Nacional, das 18h às 5h do dia seguinte. A possibilidade de recompra dos outros títulos será reaberta normalmente nos demais dias dessa semana”.

Essa nova funcionalidade torna o Tesouro Direto, agora, uma opção mais atraente para fins de formação de uma reserva de emergências. Contudo, ainda não recomendo formar 100% de seu colchão de segurança com o Tesouro Direto, e isso por uma razão bastante simples: a liquidação do resgate ocorre em D+1, ou seja, no dia útil seguinte.

Para os fins da reserva de emergências, eu preconizo que o ideal é sempre tentar colocá-la em aplicações com resgate imediato, em D+0, tais como a caderneta de poupança e CDBs com rentabilidade diária, e isso porque, numa situação de emergência, o dinheiro tem que estar disponível, dependendo da emergência, para saques imediatos.

No cenário atual, considero a LCA do BB a melhor opção para a formação da reserva de emergências, em termos de rentabilidade, embora não descarte que uma “segunda camada” do colchão de segurança possa ser constituída por LFTs do Tesouro Direto, independentemente da aplicação financeira da “primeira camada”.

De qualquer forma, é importante destacar que os investimentos no Tesouro Direto agora se constituem numa alternativa ainda mais competitiva frente aos fundos de investimento dos bancos de varejo, particularmente dos fundos de “renda fixa”, que investem em papéis pré e pós-fixados à inflação, uma vez que a liquidez diária permitirá realizar as operações financeiras com mais agilidade.

5. Área do investidor simplificada

A área do investidor também ganhou uma interface mais limpa, mais intuitiva e mais moderna, o que facilitará os investimentos nesse tipo de aplicação financeira.

Um gráfico em forma de pizza apresenta a carteira do investidor, e seções bem delimitadas definem as áreas de compra, venda, protocolo, agendamento e demais serviços.

Tesouro Direto - Ambiente de Transação

6. Criação de um novo papel: Tesouro Prefixado 2021

O Tesouro aproveitou essa “leva” de mudanças para adicionar uma relativa aos próprios investimentos: criação de um novo título prefixado com vencimento em 2021:

“Ademais, sempre atentos às necessidades dos investidores, detectamos que um novo papel deveria ser criado: o Tesouro Prefixado 2021 (LTN). Ele é ideal para quem deseja um investimento de longo prazo, prefixado (com rentabilidade definida no momento da compra) e pode deixar o dinheiro render até seu o vencimento, já que não faz pagamentos de juros semestrais (cupons). É mais uma opção para ajudá-lo no seu planejamento financeiro.”

No momento em que esse artigo está sendo escrito, a taxa do papel está sendo negociada a 13,33%, no valor aproximado de R$ 485.

Tesouro Direto - Prefixado 2021

É o título nominalmente mais barato do Tesouro Direto, e, como é possível atualmente comprar frações de 0,01 título, a partir de pouco mais de R$ 30, já é possível investir diretamente em títulos públicos.

7. Cadastro para receber notícias

Visando tornar o investimento em títulos públicos federais mais conhecido, o Tesouro Direto criou uma newsletter onde o investidor pode receber as últimas atualizações sobre o programa.

Tesouro Direto - Cadastro

Bônus! 8. Redução da fração de compra mínima de 0,1 para 0,01 título (1%), limitada a R$ 30

E os nossos leitores Rafael e Investidor Casado publicaram, na caixa de comentários, mais uma excelente mudança: o valor mínimo de compra caiu de 0,1 título para 0,01 título, limitado ao piso de R$ 30. Ou seja, ficou ainda mais fácil investir no Tesouro, já que é possível comprar 1% do valor de um título inteiro, o que facilita principalmente no caso de compra de títulos de valores nominalmente mais caros, como as LFTs, que custam cerca de R$ 6.700.

ATUALIZADO: de acordo com informações do leitor Uber, a compra de frações de 0,01 título era possível somente para compras programadas. Agora, é possível fazer a compra de tais frações também para qualquer tipo de compra.

Conclusão

Numa época de incertezas econômicas e dificuldades de toda ordem para o pequeno investidor, notícias positivas devem ser comemoradas e bem destacadas.

As novidades implementadas no Tesouro Direto terão um impacto positivo para o pequeno investidor, sobretudo para quem ainda não investe em títulos públicos, que terão sua curva de aprendizado acelerada graças aos novos nomes dos títulos e à plataforma online de investimentos mais limpa e intuitiva.

Por outro lado, para quem já investe no Tesouro Direto, a maior novidade fica por conta da liquidez diária, que dará um novo impulso para que esse tipo de investimento se torne uma alternativa ainda mais atraente frente aos fundos de investimentos, particularmente daqueles do tipo “renda fixa”, que contêm em sua carteira títulos prefixados e/ou indexados à inflação.

Além disso, a compra de frações menores também dá liquidez às compras e vendas, principalmente dos títulos de valores nominalmente mais caros.

Parabéns ao Tesouro por essas mudanças, que contribuirão para a formação de investidores mais conscientes e certamente com aplicações financeiras mais rentáveis.

Finalizo esse texto com o vídeo do Tesouro resumindo as novidades do programa:

Clique aqui se não conseguir assistir ao vídeo diretamente da página.

Agradeço aos leitores João, Rafael, Uber e Investidor Casado pelo envio das notícias!

Print Friendly, PDF & Email

44 Responses to 8 novidades do Tesouro Direto que você precisa conhecer! (a quarta é a maior delas, mas a oitava também é bastante útil)

  1. Rafael MD 16 de março de 2015 at 8:01 #

    Excelentes mudanças…

    E teve ainda a redução da fração mínima de compra para 0,01 título limitada ao valor mínimo de R$ 30,00, que na prática tornou ainda mais fácil investir principalmente no Tesouro Selic (LFT) que tem o valor mais alto entre os papéis do tesouro.

    • Guilherme 16 de março de 2015 at 14:58 #

      Olá Rafael, obrigado pela notícia, acrescentei a oitava novidade, dando os devidos créditos!

      Abç!

  2. Investidor Casado 16 de março de 2015 at 10:02 #

    Guilherme,

    Acabei de postar sobre esta mudança da fração mínima. Achei que estava maluco quando li 0,01 e sempre acreditei que era 0,1. Mas depois percebi que deveria ser mais uma mudança sem tanta publicidade quanto as outras. Acho até que a mudança da fração mínima mereceria um “tópico” na sua lista! Ela aumenta bastante a atratividade do investimento.

    Eu, por exemplo, recentemente, deixei de investir um pequeno valor no TD (antes das mudanças) devido ao valor mínimo: teria que desembolsar 600 reais para comprar a fração mínima do Tesouro Selic (acabou o stress de confundir LTN e LFT na hora de escrever rsrs).

    Esta mudança veio em boa hora, vai alterar bastante, e para melhor, meu planejamento financeiro deste ano por não precisar mais ficar acumulando o valor mínimo na poupança e ainda vai me incentivar a guardar qualquer trocado pra investir com rentabilidade interessante.

    Um abraço!!

    • Guilherme 16 de março de 2015 at 15:09 #

      Olá IC!

      Você tem razão, editei o tópico e acrescentei a oitava novidade.

      Essa possibilidade de investir valores “mais quebrados” tem tudo para tornar o investimento ainda mais atraente.

      Eu mesmo vou começar a aumentar a participação de minha carteira no Tesouro Direto, ainda mais com essas taxas de juros exorbitantes.

      Abç

      • Investidor Casado 17 de março de 2015 at 10:34 #

        Guilherme,

        Obrigado pela menção!!

        Seu texto conseguiu reunir todas as informações relevantes sobre as mudanças para nós pequenos investidores.

        Um comentário no meu blog informou que este valor de 0,01 já era válido para compras programadas anteriormente.

        O estranho é que em um link do site do Tesouro a informação sobre e “exclusividade” desta fração para compra programada continua e em outro link (o que eu usei) não tem nenhuma referência a compra programada deixando a entender que qualquer compra teriam estes limites mínimos.

        Acho que certeza mesmo só tentando! rsrs

        Um abraço!

        • Guilherme 17 de março de 2015 at 18:30 #

          Olá Investidor!

          Pois é, eu também achei estranho não terem feito essa divulgação antes.

          Passou despercebida, mas, independentemente de quando surgiu, sem dúvida, deve ser aproveitada.

          Devemos, então, testá-la para ver se funciona realmente….rs

          Abç!

  3. Leonardo 16 de março de 2015 at 10:05 #

    Hora de retirar parte do colchão de um fundo renda fixa DI com 2% de administração para a TD Selic. Não fiz isso antes porque antes a liquidez era semanal.

    • Guilherme 16 de março de 2015 at 15:10 #

      Eu também vou comprar mais títulos daqui pra frente. Todas as mudanças foram benéficas.

  4. Rosan 16 de março de 2015 at 14:10 #

    Guilherme,

    Embora eu esteja pensando seriamente na relação entre investir em títulos do governo e ajudar a financiar (e\ou aumentar?) a dívida pública, gostei das notícias, principalmente os tópicos 5 e 8, pois em forma de gráfico pizza a visualização fica muito mais fácil na hora de decidir em quais títulos investir. Em relação a nova fração de 0,001% limitado a 30,00, isso também veio para facilitar muito a vida do investidor,pois geralmente os títulos atrelados à Selic tinham valores muito elevados para compra mínima, assim como algumas NTN’s.

    Abraços e boa semana! 🙂

    • Guilherme 16 de março de 2015 at 15:11 #

      Oi Rosana,

      É bem interessante essa forma de se investir no TD pensando nesses termos.

      Sobre as novas frações mínimas, vão ajudar bastante principalmente o pequeno investidor.

      Abç e boa semana! 😀

  5. TBB 16 de março de 2015 at 18:41 #

    Guilherme parabéns pelo post. Tudo muito organizado e simplificado para que todos os investidores e leitores do seu blog possam entender. Acompanhei as notícias vinculadas na imprensa durante a semana e sempre falta alguma coisa. Não tinha encontrado ainda uma nota que explicava todas as alterações. O seu post cobriu essa lacuna.

    Gostaria de parabenizar o Tesouro Direto por essas alterações. Em um pais complicado como o nosso. Com todos os sérios problemas dentre os quais corrupção, alta carga tributária e violência temos que parabenizar iniciativas como essa. O produto já era bom e agora esta melhor ainda.

    • TBB 16 de março de 2015 at 18:58 #

      *faltava alguma coisa
      *país

      • Guilherme 16 de março de 2015 at 19:18 #

        Obrigado, TBB!

        Mudanças positivas são como um “refresco” nessa maré de notícias ruins num país complicado como o nosso, como você bem descreveu.

        Abç!

  6. Helio 17 de março de 2015 at 4:02 #

    Guilherme, com essas mudanças para quem quer liquidez diária a LCA do BB ainda é melhor que o Tesouro Direto ?

    • Guilherme 17 de março de 2015 at 8:02 #

      Hélio, para o dinheiro de curto prazo e para fins de formação de uma reserva de emergências, a LCA do BB é mais recomendada.

      Porém, para investimentos de longo prazo com o benefício da liquidez diária, Tesouro IPCA+ tende a render mais, além de você poder aplicar de modo constante valores menores.

      Abç

  7. felipe 17 de março de 2015 at 8:24 #

    Oi. GUILHERME, ACOMPANHO SEU SITE. É ACHEI INTERESSANTE AS MUDANÇAS NO TD. FAÇO APLICACOES no lca do bb. Esse Td prefixado a selic 14% rende mais? Caso um dia chegar a selim. .pelo visto não vai demorar. Obrigado

    • Guilherme 17 de março de 2015 at 18:28 #

      Felipe, nas atuais condições rende mais, mas isso pode não continuar, se a taxa SELIC aumentar,

  8. TBB 17 de março de 2015 at 10:41 #

    Guilherme, parece que os benefícios para os agentes de custódia iram aumentar. Não deixa também de ser uma boa notícia pois quanto mais as corretoras forem incentivadas mais elas elas divulgaram o produto e faram a ponte entre o Tesouro Direto e os investidores.

    Fonte: http://www.valor.com.br/financas/3945994/governo-oficializa-mudancas-que-buscam-simplificar-tesouro-direto

    • Guilherme 17 de março de 2015 at 18:31 #

      Olá, TBB, essa também é uma ótima notícia, já que serve como um mecanismo para formar investidores mais conscientes, e tirar, assim, um pouco mais de dinheiro da indústria bilionária dos fundos de investimento tradicionais e suas famigeradas taxas de administração.

      Abç!

  9. Douglas 17 de março de 2015 at 19:23 #

    Gostaria de saber qual a corretora que você usa Guilherme, pois olhando na lista as corretoras que cobram taxa zero são desconhecidas para um leigo. E usar corretoras dos bancos que trabalho (Itau e Bradesco) é fria na certa uma vez que corroí todo o rendimento.

    Sei que recentemente uma corretora meio famosa foi a falência. Neste casos o que acontece com o dinheiro dos investidores no Tesouro Direto? Assumindo é claro que a corretora realmente investiu o dinheiro. Você escolhe outra corretora para assumir a administração dos títulos?

    • Guilherme 17 de março de 2015 at 19:50 #

      Olá Douglas!

      ICAP, Spinelli e Socopa.

      Quando uma corretora quebra, os títulos devem ser transferidos para outra corretora. Você escolhe a corretora de destino.

      Abç!

    • Leonardo 19 de março de 2015 at 12:11 #

      Das com taxa 0% de custódia, tenho conta na Título (easynvest). É boa para a parte de TD e renda fixa.

      • Vinicius 19 de março de 2015 at 14:31 #

        Uso a Easynvest também. Anteriormente já fui cliente da SOCOPA e SPINELLI. Não tive nenhum problema com elas, mas começaram a cobrar taxa e por isso mudei.

        • Guilherme 19 de março de 2015 at 16:17 #

          Grato pelas informações, Leonardo e Vinícius.

          Abç!

  10. Helio 17 de março de 2015 at 23:14 #

    Guilherme, voce sabe qual a taxa de LCI do Itau? Sei que o limite minimo é de R$100mil e o resgate é so em 6 meses

    • Guilherme 18 de março de 2015 at 5:45 #

      Não sei ao certo, mas é bem baixo, não mais que 70% ou 75% do CDI.

      • Leonardo 19 de março de 2015 at 12:13 #

        É por aí mesmo. O Itaú é péssimo banco em termos de opções de investimento.

        • Guilherme 19 de março de 2015 at 16:18 #

          Concordo integralmente, Leonardo.

          O Tesouro Direto, por exemplo, dá uma surra no Itaú nos investimentos em renda fixa.

          Abç

  11. Uber 19 de março de 2015 at 11:32 #

    Na verdade, essa fração de 0,01 já existia, mas somente quando se optava pela Compra Programada.
    Aliás, deveriam ter criado também, na Compra Programada, a opção de comprar os títulos por frações, pois só existe a opção de programar o valor a ser aplicado.
    E se o título valorizar e ultrapassar o valor que eu programei?
    A compra não será feita e terei de atualizar o valor?
    Um aviso é enviado antes que isso aconteça?

  12. Investidor Internacional 20 de março de 2015 at 19:14 #

    Acho que com essas mudanças ficará mais fácil para os novos investidores entenderem.

    Entretanto ainda falta a cultura de investimentos neste país tão imprevisível.

    Abçs!

  13. Luciana 5 de maio de 2015 at 9:15 #

    Bom Dia!

    Sou leiga no assunto. Quero investir o valor mínimo. Rs Tenho pouco recurso. Pelo que pesquisei é uma boa.
    Estou pesquisando muito. Achei seu post muito interessante.
    Me tira uma dúvida.
    Eu posso fazer diretamente o Cadastro, ou tem que ser só através de Corretora e Bancos?

    Abraços.

    • Guilherme 5 de maio de 2015 at 15:23 #

      Bom dia, Luciana!

      Somente através de corretoras ou bancos. Mas o processo de cadastramento em geral é bastante simples.

      Abç!

      • Luciana 5 de maio de 2015 at 16:36 #

        Obrigado pelo Retorno.

        Pesquisei e a princípio gostei da Esynvest.

        Abraços.

        • Guilherme 7 de maio de 2015 at 18:03 #

          Legal, Luciana!

          Sucesso em seus investimentos!

          Abç

  14. rafael 24 de julho de 2015 at 15:07 #

    olá, parabens pelo artigo.
    estou muito interessado em investir no tesouro direto, mas tenho muito receio.
    li muitos blogs sobre o assunto e a propria pagina do TD, mas ainda assim fica aquela duvida, será que é seguro? eu sei que é o investimento de menor risco que um País pode ter, já que o pagamento é garantido pelo próprio tesouro nacional, mas mesmo assim ainda bate aquela desconfiança.
    vi que hoje ele apresenta otimas taxas de pagamento 6,83 acima da inflação o que daria, baseada na inflação de 8% que vivemos quase 15% ao ano.
    mas ficam umas duvidas,
    onde esse dinheiro fica? já que vivemos em um mundo de digitos onde tudo é escriturado?
    em tempos de crise como vivemos hj, em que o Brasil perdeu seu grau de investimento e reduzir a meta fiscal, será que seria interessante confiar nosso suado dinheiro nesse governo?
    se puder sanar essas duvidas pessoal ,
    super agradeço e mais uma vez Parabéns pelo BLOG!!!!

    • Guilherme 25 de julho de 2015 at 14:41 #

      Olá Rafael, obrigado!

      O investimento no Tesouro Direto é seguro, sim, ele fica custodiado em seu CPF.

      Por ora, é o investimento mais seguro, pois é garantido pelo Governo.

      Mesmo com os riscos de o Brasil perder o grau de investimento, ele ainda apresenta taxas competitivas.

      Abraços!

  15. Edilma Lopes 14 de outubro de 2015 at 15:18 #

    Olá, tenho uma quantia aplicad na poupança, mas gostaria de investir no tesou direto, qual a melhor corretora e como faço para entrar em contato, pois sou leiga no assunto.

    obrigada.

    Edilma Lopes

  16. Marcio Luiz 30 de janeiro de 2016 at 8:59 #

    Gostaria de conhecer sobre o tesouro direto ok

  17. Ana Carolina 21 de outubro de 2016 at 11:49 #

    Boa tarde! Tenho lido bastante sobre Tesouro Direto e investi a maior parte do que tinha na poupança nos títulos IPCA e SELIC. No entanto, surgiu uma dúvida que ainda não consegui sanar: A liquidação leva de 2 a 3 dias. A taxa (rendimento) considerada é do dia da compra ou a do dia da liquidação? Grata, Ana

    • Guilherme 22 de outubro de 2016 at 11:20 #

      Bom dia, Ana, a taxa é considerado a do dia da compra.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes