Resumão da semana: LCA do BB com resgate automático, Imóveis em desaceleração, Água no lugar de sucos naturais, e mais!

O resumão dessa semana está com um cardápio de assuntos bastante diversificado, englobando desde investimentos até reflexões sobre o acaso, passando por dicas de saúde e reflexões sobre a aleatoriedade da vida.

Letra de Crédito do Agronegócio do BB agora conta com a opção de priorização de resgate automático

Para começar, uma excelente notícia para quem investe em LCA do BB: esse investimento agora pode ser colocado na priorização de resgate automático de investimentos. Não sabe o que é isso? Então leia o nosso artigo a respeito: O que é priorização de resgate automático de investimentos, no Banco do Brasil (BB)?

A dica foi dada pelo leitor Zico, nos comentários ao post sobre a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), e foi confirmada pela central de atendimento do Banco do Brasil.

Um detalhe importante é que a priorização da LCA só pode ser feita na agência ou em contato com o gerente de conta-corrente. Ainda não há a opção de inclui-la via Internet Banking, mas acredito que seja questão de tempo até o BB modificar o sistema para acrescentar essa novidade.

Dinheiro

Uma coisa que o Banco do Brasil precisa melhorar é tornar esse tipo de investimento acessível, sem burocracia, a qualquer cliente do próprio banco. Tenho lido, nos comentários ao post sobre a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), relatos de diversos clientes do BB que tem R$ 30 mil disponíveis para aplicação (que é o valor mínimo exigido para investir na LCA do BB), mas que, por “n” motivos, não estão conseguindo investir num produto do próprio banco!

Alô BB!!!?? Vamos facilitar a vida de todos e implementar a possibilidade de aplicação online no Internet Banking do BB para todos, independentemente do segmento ao qual o cliente pertencer?

Obrigado ao leitor Zico pelo envio da dica!

Preço dos imóveis tem desaceleração pelo oitavo mês consecutivo

Depois da bonança vivida pelo setor imobiliário nos últimos 5 anos, começam a surgir, aqui e ali, sinais de que a euforia está começando a acabar.

Reportagem da Exame explica que o preço médio dos imóveis registrou a oitava desaceleração consecutiva no dado acumulado dos últimos 12 meses.

Além disso, o estoque de imóveis prontos também tem aumentado nos últimos meses, obrigando as construtoras a realizarem feirões com descontos de até 30%.

Porém, mesmo com esses níveis de descontos, os preços ainda estão muito altos, e o consumidor deve fazer uma avaliação criteriosa do investimento:

“Mesmo com o desconto, é muito dinheiro envolvido e o consumidor tem que pensar bem para fazer um bom negócio. De acordo com o economista Bruno Oliva, o preço de tabela não é o que conta. O que vale é quanto o mercado paga. Em outras palavras, se você comprar hoje, por quanto conseguirá vender amanhã, se precisar.”

Por ora, o único tipo de investimento imobiliário que ainda me atrai são os fundos de investimento imobiliários, os quais, mesmo assim, devem ser objeto de estudo profundo antes de se colocar dinheiro neles. É aquele velho provérbio: “use a cabeça antes de usar o bolso”.

Água no lugar de sucos naturais

Sob o título “Não ofereça suco aos seus filhos”, a blogueira Pat Feldman, do ótimo blog Crianças na Cozinha, aborda os perigos de se oferecer sucos às crianças.

E não, ela não está se referindo aos sucos industrializados, como poderia parecer à primeira vista, mas sim aos sucos naturais mesmo, extraídos da fruta. Tudo por conta do excesso de frutose (açúcar) que pode estar sendo oferecido às crianças.

Os argumentos são bastante convincentes, e deixo aqui um pequeno trecho da matéria:

“O problema do suco é a frutose, aquele açúcar que ocorre naturalmente em todas as frutas, mas que quando concentrado demais e/ou em grandes quantidades faz mais mal do que açúcar branco. E quem está dizendo isso não sou eu, mas sim estudos de ponta, entre eles o famoso Harvard Nurses Study, que inclusive demonstrou que o consumo regular de sucos aumenta o risco de diabetes tipo 2 (aquela adquirida)

Quando preparamos um suco em casa, a fruta é espremida ou passada na centrífuga. Algumas vezes o suco também é passado na peneira – mais comum quando o suco é para bebês tomarem na mamadeira. Nesse processo todo, muitos nutrientes se oxidam, as fibras que fazem parte da fruta integral são deixadas de lado e sobra basicamente um líquido colorido, com um sabor gostoso e muito açúcar (sim, a frutose das frutas é um tipo de açúcar!!).

Bem, a quantidade de açúcar (frutose) da fruta não aumenta feito mágica quando a transformamos em suco, porém para preparar um suco, de laranja por exemplo, usamos 3 ou 4 frutas, aproximadamente, não é? Se você ou seu filho fossem comer 3 ou 4 laranjas inteiras, em quanto tempo fariam isso. Quanto tempo levariam para comer tudo? Vocês dariam conta de comer tudo de uma vez só?”

O artigo completo pode ser lido clicando-se aqui.

Resumindo: em vez de tomar suco, tome água; e em vez de beber frutas, coma frutas. 😉

Sobre acasos e imponderáveis na vida: dois textos para refletir sobre o assunto

“De manhã, você está cheio de energia e planos grandiosos, e à tarde, já não existe mais”.Hélio Schwartsman

A trágica morte de Eduardo Campos na semana passada chocou milhões de brasileiros, e nos fez refletir sobre quão sujeitos estamos aos caprichos do acaso.

Termino esse resumão com dois artigos para refletir a respeito disso: um do colunista da Folha de S. Paulo, Hélio Schwartsman, e outro do nosso colega da blogosfera financeira Pensamentos Financeiros, intitulado “Reflexão, sobre a alegria, tristeza e o imponderável da vida.

Mesmo que façamos um planejamento criterioso de tudo que iremos fazer hoje, nessa semana, nesse mês, nesse ano e nos próximos 5 anos, estamos invariavelmente sujeitos ao imponderável da vida.

E o que nos resta fazer, diante dessa imprevisibilidade da vida? Cabe a nós aproveitar com intensidade máxima o momento presente, pois o futuro simplesmente não poderá existir.

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

, , , ,

37 Responses to Resumão da semana: LCA do BB com resgate automático, Imóveis em desaceleração, Água no lugar de sucos naturais, e mais!

  1. Leonardo 18 de agosto de 2014 at 0:15 #

    Essa do suco aí é uma chatolinice! Ela deve estar falando dos concentrados. Acho radicalismo demais.

    • Guilherme 18 de agosto de 2014 at 23:29 #

      Olá Leonardo!

      Achei interessantes os argumentos das pesquisas citadas por ela, o que me motivou a trazer esse estudo para nosso público.

      Eu penso que um suco de vez em quando não faz mal, sendo que o ideal, em termos de bebida, continua sendo a boa e velha água!

      Abç!

    • Rogerio 18 de agosto de 2014 at 23:53 #

      Há muito tempo que já é sabido que sucos não são benéficos para saúde. Frutas devem ser comidas in natura. Bebida boa é somente água e chá verde (claro, sem adoçar).

      • Guilherme 19 de agosto de 2014 at 0:00 #

        Bem lembrado, Rogério, o chá verde é excelente bebida e com muitos benefícios para a saúde!

        Abç!

  2. soulsurfer 18 de agosto de 2014 at 8:24 #

    Olá, Guilherme!
    Grato por me citar mais uma vez, fico lisonjeado de ser lembrado num espaço tão bacana como esse, obrigado mesmo:)

    Grande abraço!

    • Guilherme 18 de agosto de 2014 at 23:31 #

      Olá Soul!

      É sempre um prazer citar blogs com conteúdo de primeiríssima qualidade como o seu, eu e meu público é quem agradecemos tê-lo como mais um aliado na blogosfera brasileira de finanças pessoais!

      Abç!

  3. apso 18 de agosto de 2014 at 9:01 #

    Fundos imobiliarios, dê exemplos…..

    • soulsurfer 18 de agosto de 2014 at 11:27 #

      Há inúmeros com variadas características. O melhor para o período atual é não focar tanto em lajes corporativas e fundos com contratos longos. Há vários pagando 10% aa isentos. Isso equivale a um aluguel residencial bruto (considerando 10% de administração e 27,5% de IR) de mais de 15%. É como alugar um apartamento de valor de 500k por 75k anuais.
      Lembrando sempre que os yields dos FII tende a ser medidas reais, ao contrário do CDI que é uma medida nominal de rentabilidade.

      Abrçao!

      • Guilherme 18 de agosto de 2014 at 23:34 #

        O Soulsurfer deu excelentes dicas de como montar uma excelente estratégia de fundos imobiliários!

        Aliás, ele foi muito modesto de não citar a melhor fonte brasileira para estudar sobre o assunto, que é o próprio blog dele.

        Comece por aqui: http://pensamentosfinanceiros.blogspot.com.br/2014/04/fii-meu-rating-pessoal-dos-fundos.html e vá destrinchando artigo por artigo. Reserve um mês para se dedicar ao blog do Soul, e você terá uma excepcional base.

        Outra fonte muito útil é o blog do Tetzner: https://tetzner.wordpress.com/ Excelente fórum, o melhor fórum no Brasil para discutir FIIs.

        Abç!

        • soulsurfer 19 de agosto de 2014 at 11:57 #

          Obrigado pela gentileza, Guilherme! Entretanto, não é para tanto:)
          Creio que há bons artigos lá para dar uma sistematicidade a essa classe de ativos. Depois de estar mais acostumado, o blog do tetzner possui discussões mais aprofundadas sobre os ativos em questão, sendo a referência no Brasil na área, fora que há inúmeras pessoas com muito conhecimento lá sempre dispostas a ajudar.

          Abraço!

          • Guilherme 28 de agosto de 2014 at 14:53 #

            É sim, soul! Sua humildade é que não lhe permite fazer auto-afirmações para tanto! 😉

            Exatamente, lá é um ótimo lugar para buscar conhecimento numa classe de ativos ainda tão nova no Brasil.

            Abç!

  4. Mônica Japiassú 18 de agosto de 2014 at 9:22 #

    Ótimo resumo, Guilherme! Muito boa a notícia sobre o resgate automático do LCA! Obrigada!

    • Guilherme 18 de agosto de 2014 at 23:36 #

      Valeu, Mônica, realmente, esse resgate automático da LCA veio em boa hora!

      Abç!

  5. Evandro 18 de agosto de 2014 at 10:26 #

    Guilherme,

    Sabe informar se existe algum período de carência para está LCA ficar no modo de resgate automático?

    Ou período minimo para resgate total?

    Tem a taxa para valores de R$ 30K?

    Caso não optar por este modo de resgate automático há mudança na taxa?

    Abraços

    Evandro

  6. pedro 18 de agosto de 2014 at 14:59 #

    parabens guilherme!!

  7. Link 18 de agosto de 2014 at 21:43 #

    Tenho LCAs no BB, testei agora no meu HB e só aparece poupança, cdb e fundos de investimento… nada de LCA =\

    a propósito, desconhecia esse serviço. grande dica!!!

    • Guilherme 18 de agosto de 2014 at 23:41 #

      Olá Link, a opção de inclusão no resgate automático não aparece realmente no IB, tem que ser feito via gerente! Pode ser por telefone ou email mesmo, não precisa ir necessariamente na agência!

      Abç!

  8. Evandro 22 de agosto de 2014 at 12:06 #

    Guilherme,

    Hoje entrei no site do Banco do Brasil e estava disponível a opção de colocar as LCAs em resgate automático.

    Ao clicar em um ícone ao lado do saldo disponível é possível selecionar a LCA, os demais fundos e poupanças.

    Abraços,

  9. Bruno 24 de agosto de 2014 at 16:10 #

    Realmente, já é possível selecionar a LCA para resgate automático através do internet banking.

  10. Roberto 25 de agosto de 2014 at 12:49 #

    Boa tarde!

    Comunico que a opção de priorização de resgate automático na BB LCA Pós CDI está disponível no internet banking!

    Mas surgiram dúvidas:

    O LCA também pode ser indicado para fins de aplicação automática do saldo parado em conta corrente? Ou apenas para resgate automático toda vez que o saldo for ficar negativo?

    Pergunto isso porque estou procurando a melhor alternativa de rentabilidade para esse tipo de situação, onde o saldo irá ficar parado em conta por tempo indeterminado. Desejo obter pequena rentabilidade disso, e o BB oferece para isso o BB Curto Prazo 200 DI ou o BB Curto Prazo Estilo.

    Pode dar alguma sugestão?

    Forte abraço, e parabéns pelo blog!

    • Guilherme 28 de agosto de 2014 at 14:56 #

      Obrigado pelo aviso, Evandro, Bruno e Roberto!

      Roberto, ele pode ser utilizado apenas quando o saldo ficar negativo. Ainda não é possível fazer aplicação automática do saldo parado em conta-corrente.

      Diante da sua situação, penso que a melhor alternativa é deixar o máximo possível de dinheiro aplicado num investimento com resgate automático, como a LCI ou o Fundo Ref. DI LP Estilo, que cobra taxas de administração bem menores que as do BB Curto Prazo em qualquer de suas versões.

      Abç!

  11. Justiceiro 30 de agosto de 2014 at 17:09 #

    Boa tarde.
    Esse resgate automático resgata o mínimo de retirada das LCAs (R$ 500,00) ou cria uma exceção, resgatando apenas o suficiente para o pagamento da conta, que pode ser abaixo do limite?
    Sobre o resgate automático, nunca usei, o sistema indica que sua utilização seria para a cobertura de Saldo devedor/cheque especial utilizado.
    Pois bem, ele se ativa a partir do saldo negativo ou somente a partir do limite da conta eletrônica (que é o maldito cheque especial)? Não uso isso e gostaria de encontrar uma forma de zerar esse limite de conta especial (cheque especial).
    Obrigado.

    • Guilherme 30 de agosto de 2014 at 21:05 #

      O resgate automático resgate o valor mínimo de retirada das LCAs. O que sobrar para cobrir o déficit acaba indo para a conta-corrente.

      Ele se ativa a partir do saldo negativo, entrando “antes” da utilização do limite do cheque especial.

      Sobre a melhor forma de zerar o cheque especial, creio que é possível somente na agência, já que pelo Internet Banking não consegui.

      Abç

      • Justiceiro 30 de agosto de 2014 at 21:33 #

        Estava lendo seu outro tópico, achei isso que falaste num dos comentários.
        Acho que essa ferramenta de resgate automático somente seria realmente válida em caso de resgates exatos.

        Digo isso pois sempre sobraria um resíduo positivo na CC, o que me forçaria a entrar na internet para reaplicar a sobra, ou seja, o que seria um facilitador, na realidade não é, a não ser que haja uma aplicação de nível equivalente a rentabilidade da LCA no BB com resgate exato.

        Então, assim prefiro usar de minha técnica atual e manual: retirar toda a LCA, pagar o que se tem que pagar no CC, reaplicar na LCA novamente e os centavos jogo para a poupança.
        Quando recebo rendimentos na CC entro na web e imediatamente faço isso, praticamente zerando a CC.
        Dá um trabalhinho, mas é coisa de 5 minutos no máximo e uso nos dias que terei de fazer algum pagamento.
        Enfim, minha singela opinião que, no meu entender, apesar de manual/mais trabalhosa, maximiza os juros recebidos.

        Abraço!!

        • Guilherme 30 de agosto de 2014 at 22:00 #

          Olá Justiceiro!

          Excelente a sua estratégia também! É uma forma de fazer cada “soldado” (R$) trabalhar para você, em algum investimento, em vez de ele ficara “parado” na conta-corrente.

          Uma alternativa intermediária para você maximizar os juros dos investimentos seria aplicar as “sobras”, os centavos, num fundo DI com resgate automático, o Fundo Ref DI LP Estilo, que aceita aplicações, salvo engano, a partir de R$ 1.

          Não tenho os dados exatos, mas da última vez que analisei o desempenho desse fundo, ele estava com rentabilidade líquida superior à da poupança.

          Abç!!!

          • Cristiano 31 de agosto de 2014 at 19:10 #

            Olá Guilherme, concordo que o Ref DI Plus Estilo seja a melhor opção de fundo com resgate automático, e realmente ele rende mais que a poupança (mesmo considerando que, por ser um fundo curto prazo, a alíquota mínima de IR é a de 20%). No entanto, receio que ele não esteja mais disponível da forma como o conhecemos, isto é. as regras mudaram desde o ano passado: agora o investimento mínimo é de R$ 10k e saldo mínimo de R$ 500. Então, todos os clientes que tinham investimentos nele, não deixem zerá-lo, pois senão vão ter que se submeter às novas regras (antes as aplicações poderiam ser em múltiplos de R$ 0,01 e saldo mínimo de R$ 0,01). Abs

            • Guilherme 2 de setembro de 2014 at 9:33 #

              Ôpa, grande Cristiano, grato pela dica!

              Já zerei meus investimentos nesse Ref. DI Plus Estilo.

              Grande abç!

  12. Rosana 4 de setembro de 2014 at 12:57 #

    Guilherme,

    Em relação aos sucos, muitas vezes achamos que estamos fazendo bem consumindo-os, mas talvez essa não seja a realidade… Mais seguro mesmo consumir frutas in natura e para beber, água, sempre água!

    Em relação aos imóveis, você acredita que os valores voltarão a ser menores, como eram há 5 anos, ou quase? Ou continuarão fora da realidade para a maioria da população?

    Abraços,

    • Guilherme 5 de setembro de 2014 at 8:47 #

      Exatamente, Rosana, beber água e comer as frutas!

      Em relação aos imóveis, existe uma certa incógnita em relação aos preços futuros, já que o tema é bastante polêmico e suscita muitos conflitos de interesses.

      Porém, é inegável que os preços estão fora da realidade e muito esticados. Basta ver a proporção entre o valor de venda e o valor de aluguel para chegar a essa conclusão.

      Portanto, acredito que em muitas cidades os preços voltarão a ser menores do que estão hoje e há alguns anos.

      Abç!

      • Rosana 5 de setembro de 2014 at 15:39 #

        Guilherme,

        “Basta ver a proporção entre o valor de venda e o valor de aluguel para chegar a essa conclusão.”
        Não entendi. Poderia explicar melhor essa parte?

        Abraços e um bom final de semana,

        • Guilherme 5 de setembro de 2014 at 18:39 #

          Claro! Vamos lá:

          Um apartamento que custava R$ 500 mil tem potencial para gerar uma receita de aluguel, se for alugado, em torno de R$ 2,5 mil. Isso corresponde a 0,5% do valor do imóvel.

          Com a valorização toda dos imóveis, provavelmente esse apartamento que custava R$ 500 mil agora deve custar de R$ 750 a R$ 800 mil. Porém, o valor do aluguel permaneceu o mesmo, R$ 2,5 mil, de modo que a renda passiva com o aluguel seria de apenas 0,3% do valor do imóvel.

          Assim, em resumo: quanto mais baixo o percentual do aluguel em relação ao valor de venda do imóvel, maior é a probabilidade do preço do imóvel estar “fora da realidade”.

          Até bem pouco tempo atrás, era comum as pessoas conseguirem alugar um imóvel com rendimentos de 0,5% do valor do imóvel. Hoje, em muitos casos, essa relação não passa de 0,2% do valor do imóvel, de modo que isso indica um preço exorbitante do valor do imóvel para venda.

          Em resumo, é isso!

          Bom final de semana!

          Abç

          • Rosana 6 de setembro de 2014 at 16:40 #

            Guilherme,

            Gostei muito da sua resposta, agradeço pela “aula”. 🙂
            Eu desconhecia essas informações.
            Agora ficou bem mais fácil perceber que os valores dos imóveis realmente estão bem fora da realidade e também perceber o momento que em comecem a apresentar alguma queda.

            Abraços,

            • Justiceiro 6 de setembro de 2014 at 16:51 #

              Parabenizo o Guilherme pela coragem e escrever algo tão óbvio.
              Afinal, colegas, basta comparar o preço dos imóveis daqui com imóveis em outros países: a mediana brasileira está brutalmente descolada da mediana de outras nações desenvolvidas.
              Vejamos outros sites como o estamos ricos (comparação visual e preços) e bolha imobiliária.
              Ouso avançar no assunto ainda mais e dizer que num mercado de equilíbrio um imóvel acompanha apenas a inflação, com DY de 0,7% am, DY mínimo (taxa de aluguel dividido pelo valor) acima da inflação, e olha que há os impostos no valor.
              Dessa forma, entendo que num mercado de equilíbrio um imóvel, considerando DY e valor global, deveria acompanhar uma NTNB ou LTN, por exemplo.
              Considerando o cenário atual, ficarei no aluguel, “perdendo” 0,3% am, mas ganhando 0,9% am de outros investimentos, obtendo um saldo positivo real de 0,6% am, superando até mesmo a inflação.
              Quando me aposentar, caso a situação brasileira não volte a realidade, o que não acredito, é só pegar as malas e me mudar para um país que de valor ao dinheiro, como EUA e/ou Europa.

              • Guilherme 7 de setembro de 2014 at 20:21 #

                Excelentes observações, Justiceiro!

                A análise desses critérios objetivos deixa claro, como você bem disse, a existência de uma anormalidade no mercado imobiliário brasileiro.

                Abç!

            • Guilherme 7 de setembro de 2014 at 20:20 #

              Que bom que entendeu, Rosana! 😀

              Abç!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes