O exercício dos pulos na prática: aquilo que eu escrevi no papel em 2010 irá se realizar em 2015?

Nos últimos tempos, tenho realçado bastante a importância de você realizar o “exercício dos pulos” como uma das melhores formas de avaliar o progresso (ou não) em qualquer área de sua vida. Esse exercício consiste em escrever no papel 5, 7 ou 10 metas que você deseja realizar para os próximos 5 anos. O objetivo desse exercício não é apenas o de “tirar as coisas da cabeça e colocá-las no papel” – como defendem os adeptos da metodologia de produtividade pessoal Get Things Done -, mas principalmente o de estabelecer um plano de ação na sua vida, de modo que essa folha de papel possa servir de suporte e orientação para as ações práticas que você realiza no seu dia-a-dia.

A origem

Eu descobri esse exercício numa época, lá pelos idos de 2009 a 2010, em que lia quase que diariamente o blog norte-americano de finanças pessoais The Simple Dollar. Num desses artigos, Trent Hamm, autor do blog em questão, sugeriu que o leitor fizesse esse tipo de atividade, como forma de melhor visualizar seus sonhos, e trabalhar no sentido de materializá-los.

É muito difícil sair da inércia e realizar esse tipo de atividade sugerida na prática, mas eu resolvi me mexer e escrevi, no papel, numa folha de papel, 5 metas que eu gostaria de cumprir nos 5 anos seguintes.

No começo desse ano de 2014, enquanto eu escrevia os artigos que tratavam do exercício proposto nesse texto, me surgiu uma coisa à mente: “será que eu havia conseguido cumprir aquelas metas que eu mesmo havia estabelecido para mim mesmo lá em 2009?”

Então comecei a procurar a dita folha de papel. Procurei em gavetas, armários, escrivaninha… e nada de encontrá-la.

Felizmente, eu sabia que havia salvado uma cópia digital, fotografando o papel com a câmera do celular. Tratei, então, de buscar em meus arquivos digitais onde estava o papel das 5 metas.

Depois de uma intensa procura, consegui encontrá-lo. E, ao analisá-lo novamente, tantos anos depois, uma emoção havia tomado conta de mim: sim, eu havia conseguido cumpri-las.

Aqui estão as 5 metas que eu havia escrito, não em 2009, como eu havia suposto, mas em 2010:

Metas 2015

(Repare que as metas estão marcadas para 2015).

Como eu não consegui dar zoom na imagem, vou transcrever aqui essas 5 metas, bem como realizar comentários pessoais sobre cada uma delas.

1. Condicionamento físico aprimorado.

Graças ao conhecimento adquirido e posto em prática ao longo desses últimos 5 anos, consegui melhorar e até rejuvenescer minha saúde física nessa última meia década.

E quem é leitor antigo do blog está podendo acompanhar essa minha evolução de perto, devido aos excelentes resultados que tenho postado desde então: Excelente!, Excelente! (versão 2012 =)), Excelente! (versão 2013 =)).

A saúde física é a base para a evolução em todas as demais áreas da sua vida: doente, lento e fraco, você não chega a lugar nenhum. Saudável, forte e rápido, você vai a qualquer lugar. E quanto mais forte e mais saudável, mais longe você poderá ir.

2. Melhor fluência em inglês.

Desenvolver aquilo que alguns chamam de habilidades transferíveis, isto é, habilidades que podem ser usadas em múltiplas e diferentes áreas de trabalho, constitui uma das melhores formas de progredir na vida. E ter a capacidade de saber melhor utilizar as ferramentas chamadas idiomas, principalmente o inglês, consiste numa das melhores ferramentas que um trabalhador do conhecimento pode aperfeiçoar nos dias de hoje.

Essa habilidade também está podendo ser averiguada ao longo do tempo pelos leitores, seja pelas inúmeras resenhas de livros em inglês publicadas aqui no blog, seja pela utilização de artigos de blogs de língua inglesa como fonte e inspiração para diversos artigos aqui do site.

No entanto, essa é uma meta que ainda está em fase de progressão. Isso porque ainda preciso melhorar bastante alguns aspectos do idioma, sobretudo a parte de escrita e de conversação.

3. Sistema de gerenciamento de informações pessoais melhor construído

Essa meta de longo prazo tem tudo a ver com a capacidade de construir um modelo de gestão do conhecimento que seja ao mesmo tempo eficiente para leitura e aproveitamento de dados, e otimizado para que o gasto de tempo seja concentrado na captura e apreensão da informação em si.

Nesse sentido, após vários testes, ao longo dos últimos anos, com diversos programas e softwares gerenciadores de informação, eu cheguei à conclusão de que, para atingir esse objetivo, seria necessário utilizar uma tecnologia que agregasse esse objetivo, com um conjunto de aplicativos que fosse também eficiente na gestão do conhecimento.

Hoje, a tecnologia que mais uso para tal finalidade, e que vem resistindo bravamente ao teste do tempo, é o sistema RSS, e os aplicativos que mais tenho usado são o Feedly, Instapaper, BeyondPod (para Android) e Newsify (para iOS).

4. Alto nível de conhecimento aplicado em finanças pessoais

Notem que o objetivo lá em 2010 não era apenas ter um alto conhecimento teórico de finanças pessoais, mas sim um conhecido aplicado. E isso só foi possível de ser conquistado em função do blog, que me proporcionou acesso fantástico a materiais, livros, artigos e compartilhamento de ideias excelentes com leitores e outros blogueiros da área.

5. Tempo de qualidade para auto reflexão

É interessante voltar no tempo e constatar que, lá atrás, mesmo com um blog sobre finanças pessoais que já estava a pleno vapor, uma de minhas metas de longo prazo não era ganhar mais dinheiro, mas sim ganhar mais tempo. E não um tempo qualquer, mas sim um tempo de qualidade. E não um tempo de qualidade para uma atividade qualquer, mas sim um tempo de qualidade para auto reflexão.

Ora, e por quê querer ter uma meta dessas?

Simples: porque, quanto mais profundamente pensamos a respeito de nossas próprias vidas, melhor será a qualidade de nossas reflexões, e, consequentemente, mais comportamentos de alta qualidade alinhados a essas reflexões teremos, nos impulsionando, cada vez mais, para uma vida cada vez mais satisfatória e gratificante. Sem essa meta #5, as outras quatro primeiras metas certamente não seriam escritas.

É preciso visualizar a vida como um todo, e não apenas sob o aspecto puramente financeiro, e, para visualizá-la de modo global, precisamos estar, para ter tempo de qualidade para auto reflexão, bem fisicamente, emocionalmente, mentalmente e espiritualmente.

Duas considerações práticas acerca desse modelo de organização

Raciocinando sobre esse exercício de visão de longo prazo, duas coisas me vêm à mente, e que podem funcionar como orientações para que você trace com maior sucesso possível seus próprios objetivos de vida.

A primeira é: seja específico em suas metas de longo prazo. Essa é uma coisa que talvez eu precise melhorar na próxima versão de “minhas metas para os próximos 5 anos”. Sei que “condicionamento físico aprimorado” é uma meta que pode ser avaliada em termos objetivos (p.ex., fazer um exame clínico e verificar que sua taxa de colesterol caiu), mas eu posso ser mais específico da próxima vez e escrever “correr uma maratona” ou “levantar 100 kg na cadeira extensora”, ou ainda, “fazer 73 abdominais em 2 minutos”, e assim por diante.

Da mesma forma, em vez de “melhor fluência em inglês”, eu posso colocar, da próxima vez, “aprovação num teste de proficiência” ou “intercâmbio cultural de 1 mês”, e assim por diante.

O importante é escrever objetivos que sejam avaliáveis, mensuráveis, e específicos, e que não fiquem excessivamente genéricos ou de difícil avaliação, seja ela quantitativa, seja ela qualitativa.

A segunda consideração é: decomponha as metas de longo prazo em metas de curto e médio prazo. Ou seja, além de escrever 5, 7 ou 10 metas para serem alcançadas em 5 anos, escreva também, no começo de cada ano, 5, 7 ou 10 metas para serem cumpridas naquele ano – metas anuais. E, além disso, estruture sua vida em termos mensais, semanais e diários que estejam conectados ao cumprimento daquelas metas anuais e quinquenais.

Dessa maneira, você estará garantindo maiores chances de que aquilo que você quer a longo prazo esteja se materializando no curto e médio prazos.

Conclusão

O tempo passa rápido demais, e parece que, a cada ano, ele voa mais rápido ainda. Quando eu escrevi aquelas metas em 2010, certamente eu supunha que 2015 estaria muito longe, e que levaria muito tempo até chegar lá…

Mas não.

Os anos passam, a vida passa, numa velocidade cada vez maior, e precisamos cada vez mais ter um melhor senso de controle sobre o que ocorre em nossa vida.

A definição de objetivos de longo prazo, numa folha de papel, apesar de ser uma medida aparentemente simples, tem a poderosa força de nos incutir a nos movimentarmos em direção ao cumprimento daquelas metas, trazendo para o mundo da realidade aquilo que apenas estava dentro de nossas mentes.

Faça você também esse exercício: use o córtex pré-frontal de seu cérebro e passe a pensar mais – e a escrever mais – em termos de longo prazo. Você verá que esse simples gesto é capaz de provocar mudanças duradouras já no presente, no aqui e no agora, fazendo você se mover a cada dia, em direção a aquela realidade que você ousa estar daqui a 5, 10 ou 15 anos. 🙂

Print Friendly, PDF & Email

, , , ,

7 Responses to O exercício dos pulos na prática: aquilo que eu escrevi no papel em 2010 irá se realizar em 2015?

  1. Rosana 24 de março de 2014 at 15:59 #

    Muito bom o seu artigo.
    Fico feliz em saber que conseguiu alcançar algumas das suas metas, parabéns!
    Ontem eu vi um site e me lembrei de você. É sobre mandarmos uma carta para nós no futuro, de forma a nos visualizarmos daqui a 5, 10, 20 anos, o que é difícil, mas pareceu-me um bom exercício, principalmente para o nosso planejamento atual. Talvez seja interessante também com metas de tempo menores, como 2, 3 anos.
    http://relembre.me/about

    Abraços,

    • Guilherme 25 de março de 2014 at 16:56 #

      Oi Rosana, obrigado!

      Muito legal a ideia desse site! E tem tudo a ver com o conteúdo dos últimos posts, mesmo!

      Abç!

  2. Thiago Pereira 27 de março de 2014 at 18:21 #

    Guilherme,

    Parabéns por mais um ótimo post!

    Devido a inúmeros outros fatores, além de uma certa influência sua também, este ano iniciei um planejamento pessoal mais formal. Até o ano passado fazia aquele planejamento “de cabeça”, e óbvio nunca funcionou e só me prejudicou.

    Porém, estava fazendo planos, principalmente financeiros, somente para este ano. Mas seu post me fez tirar da lista mental “to do” algumas “resoluções” de longo prazo. Ou seja, fiz também a minha lista para 2019 e aproveitei para reescrever minha lista de metas para este ano com alterações e já iniciei o rascunho de 2015!

    • Guilherme 27 de março de 2014 at 21:58 #

      Grato pelas palavras, Thiago!

      E que bom que os posts te incentivaram a escrever as suas próprias metas pessoais no papel!

      Verás que seus comportamentos serão mais eficazes, pois a partir de agora você tem uma espécie de “bússola física” a lhe orientar o rumo!

      Abç!

  3. Arthur - RJ / Santa Cruz 16 de abril de 2014 at 18:05 #

    Acabei de conhecer o blog, achei muito bom mesmo, textos muito bem escritos e explicados!!
    Então Guilherme, vc pode fazer esse esquema da estruturação em termos mensais, semanais e diários que estejam conectados ao cumprimento daquelas metas anuais e quinquenais, em um papel? Eu tentei fazer aqui mas não ficou legal.
    abs do RJ

    • Guilherme 16 de abril de 2014 at 22:55 #

      Muito obrigado, Arthur!

      Posso, sim! Vou pensar numa maneira de estruturar isso que fique fácil, e depois coloco aqui os resultados!

      O interessante é decompor as metas quinquenais em frações menores, com metas intermediárias.

      P.ex., se o objetivo, ao final de 5 anos, é correr uma maratona, poderíamos estipular, como metas intermediárias, correr meia maratonas, e provas de 10 km, 5 km e 2,5k.

      Enfim, é isso! O importante é ter metas mensuráveis e que possam ser passíveis de verificação objetiva.

      Abç!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes