Vêm aí as debêntures BNDESPar 2013!

Ótimas notícias para quem busca uma alternativa atraente de investimentos no mercado da renda fixa: os leitores Joaquim e TBB informaram, aqui no blog, que o BNDESPar pretende fazer, em breve, uma nova emissão das suas já conhecidas (e rentáveis) debêntures.

ID-10010148

Segundo a notícia publicada no Valor, seriam lançadas 4 modalidades – ou “séries” – de debêntures:

Primeira série: remuneração prefixada, equivalente à taxa do DI futuro negociado na BM&FBovespa de janeiro de 2018 (mesmo prazo de vencimento do papel) mais uma sobretaxa de até 0,70%.

Segunda série: título com vencimento em agosto de 2017, remunerada de acordo com a TJ3, taxa de juros de três meses divulgada pela BM&FBovespa, mais uma sobretaxa de até 0,70% ao ano.

Terceira série: título com vencimento em agosto de 2020, corrigida pela NTN-B com vencimento equivalente, mais uma sobretaxa de até 0,70% ao ano.

Quarta série: rendimento equivalente ao do título público corrigido pela inflação (NTN-B), com vencimento em maio de 2035, mais uma sobretaxa de até 1% ao ano.

Vale mencionar, como de costume, que as sobretaxas mencionadas acima são o valor limite (teto) do rendimento extra. Por exemplo: a rentabilidade da primeira série pode ter uma sobretaxa que variará entre 0 (sem sobretaxa) até 0,7%, no máximo.

A novidade nesse ano de 2013 é a introdução de uma quarta série de debêntures, com prazo de 22 anos, que promete pagar uma sobretaxa maior do que a das séries anteriores (até 1% de rentabilidade extra, contra 0,7% das demais séries), em função justamente dos riscos que são embutidos ao se aplicar num título de renda fixa com prazo maior.

É importante mencionar que nenhuma dessas debêntures, nem mesmo a da quarta série, é da modalidade “debêntures incentivadas de infra-estrutura”, que não têm a incidência de imposto de renda (sobre o assunto, alías, vide o artigo Debêntures incentivadas (com isenção de IR) chegam ao mercado – o caso das debêntures da Autoban). Mesmo assim, as debêntures BNDESPar continuam sendo uma excelente alternativa de investimentos em renda fixa, como cansamos de dizer aqui no blog. 😀

As debêntures lançadas em 2012 vão muito bem, obrigado, e quem investiu nelas está colhendo uma das melhores rentabilidades na renda fixa do mercado brasileiro, considerando a equação risco x retorno, conforme escrevemos no post Debêntures BNDESPar: boas taxas de rentabilidade – versão 2012 (mas a sobretaxa me surpreendeu!) =D:

– Sobre as debêntures da primeira série – a série prefixada – incidirão juros prefixados de 11,169% a.a. (valor esse que já incorpora a sobretaxa de 0,50%). Como o CDI atual está girando na casa dos 9,65% a.a., isso significa que, “já na largada” esse título prefixado estará pagando, aproximadamente, algo tem torno de 115% do CDI bruto;

– Sobre as debêntures da segunda série – a série pós-fixada flutuante, atrelada ao contrato futuro de DI (que, na prática, corresponderá mais ou menos a uma LFT) – incidirá uma sobretaxa de 0,55% (acima de nossas expectativas, bem como da maioria dos analistas de mercado, que previam uma sobretaxa de, no máximo, 0,30% a 0,35%, como tem ocorrido nas últimas emissões). O leitor Flávio fez o cálculos: TJ3 + 0,55% a.a. = 1º período = 8,85%+0,55%=9,40% .a.a

– Sobre as debêntures da terceira série – a série pós-fixada, atrelada ao IPCA, incidirão juros de 5,3999% a.a. (valor esse que já incorpora a sobretaxa de 0,50%) + a variação do IPCA.

Trocando em miúdos: quem destacou, subtraiu, tirou, parcela de seus investimentos dos fundos referenciados DI, Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) ou mesmo CDBs DIs, para aplicar nessas debêntures da BNDESPar, está obtendo rentabilidade muito maior do que se tivesse simplesmente mantido tais investimentos todos dentro da carteira indexada ao CDI/Selic. Na verdade, essas debêntures têm tido desempenho financeiro superior até mesmo em relação aos títulos do Tesouro Direto de perfis semelhantes, devido às suas características únicas, conforme já ressaltamos no post Nova emissão de debêntures BNDESPar – versão 2012!:

“As debêntures têm as vantagens de não ter a taxa de compra de 0,10% que o Tesouro Direto tem; não têm a taxa de custódia que a CBLC cobra de quem aplica no Tesouro Direto (e que é cobrada mesmo naquelas corretoras isentas da taxa de custódia da corretora); e não têm a taxa de custódia que a maioria das corretoras cobram (salvo algumas honrosas exceções). […]. Além de terem menores custos, as debêntures ainda proporcionam uma maior rentabilidade do que seus equivalentes no Tesouro Direto, rentabilidade maior essa representada pela sobretaxa paga”.

Bom, por enquanto são essas notícias, pessoal. Quando a oferta pública for oficialmente divulgada, faremos uma matéria completa a respeito, trazendo também, se possível, a rentabilidade atualizada das debêntures BNDESPar, caso o nosso incansável leitor especialista na renda fixa, Flavio, se proponha a fazê-la pra gente, conforme já destacaram outros leitores!

Agradeço aos leitores Joaquim e TBB pelo envio da notícia!

p.s.: se você nunca ouviu falar em debêntures, nem têm ideia do que vem a ser as debêntures da BNDESPar, aqui vai uma lista bem bacana de links para você ficar completamente craque no assunto: 😀

Vale a pena investir em debêntures da BNDESPar? Esse artigo, escrito em 2009, continua atualíssimo. Recomendo fortemente a leitura dele, pois funciona como uma espécie de guia para quem nunca teve contanto com o investimento.

Debêntures BNDESPar: boas taxas de rentabilidade (versão 2009)

Nova emissão de debêntures BNDESPar – ano 2010

Debêntures BNDESPar: boas taxas de rentabilidade (versão 2010)

Nova emissão de debêntures BNDESPar – versão 2012!

Debêntures BNDESPar: boas taxas de rentabilidade – versão 2012 (mas a sobretaxa me surpreendeu!) =D

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

,

11 Responses to Vêm aí as debêntures BNDESPar 2013!

  1. Leonardo 6 de junho de 2013 at 13:59 #

    Guilherme,

    Qual é a forma mais barata de adquirir essas debêntures (diminuir custos de corretagem, essas coisas)?

    • Guilherme 6 de junho de 2013 at 15:51 #

      Leonardo, é por meio de uma corretora onde você já invista em ações, para se beneficiar da isenção da custódia semestral de R$ 6,90.

      Abç!

      • Leonardo 8 de junho de 2013 at 9:52 #

        Obrigado, Guilherme. Ainda não invisto em ações, e por isso não tenho uma corretora. Já acompanho seu blog há um bom tempo e estava procurando uma corretora para investir parte do dinheiro no ETF PIBB11 e agora também na aquisição dessas debêntures BNDESPar.
        Tenho conta em bancos (Bradesco, Itaú Personnalite, Citibank, BB) mas estava querendo fugir do investimento que envolve a corretora desses bancos por elas praticamente taxas mais altas.
        Encontrei essa lista de corretoras e preços em:

        http://www.bussoladoinvestidor.com.br/guia_corretoras/

        Todas são confiáveis? Ou existem patinhos feios no meio? Pretendo fazer todas as operações pela Internet. Quais você recomendaria hoje (tradeoff entre preços praticados e qualidade do home broker e afins)?

        Tem mais alguma coisa que devo levar em consideração além do preço da corretagem e da qualidade do serviço?

        • Guilherme 8 de junho de 2013 at 14:06 #

          Oi Leonardo.

          Você está fazendo a coisa certa em selecionar uma corretora independente para operar com ações, pois elas têm preços mais competitivos e serviços melhores.

          Esse também é um momento bastante interessante para entrar na Bolsa, pois fazia um bom tempo que ela não ficava tão próximo dos 50 mil pontos. É claro que pode cair mais ainda, mas nunca se sabe sobre o futuro.

          Sobre o link, a maioria das corretoras é sim confiável. Os dois principais critérios foram ditos por você: preço de corretagem e qualidade do serviço. Além do preço, recomendo que você verifique o custo total efetivo para manter investimentos em corretora, o que abrange também a análise dos seguintes itens:

          – Tarifa de custódia,
          – Tarifa de saque.

          A melhor corretora depende do volume de operações que você irá fazer, dentre outros fatores. No momento, duas boas opções seriam a Socopa e a ICAP.

          Abç!

  2. MJC 7 de junho de 2013 at 9:15 #

    Ótima notícia. Aguardando apenas a para fazer a reserva 😀

  3. Felipe 18 de junho de 2013 at 12:22 #

    “Eu devia ter alocado mais recursos nas debêntures BNDESPar em 2012…”

    Opa!
    Nova chance em 2013!

    • Guilherme 18 de junho de 2013 at 12:29 #

      Opa, isso mesmo, Felipe, vamos que vamos!

      Abç!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes