Vem aí um ETF “verde” – ECOO11 – com opção de venda!

Quando eu digo que os leitores fazem esse blog, eu não estou brincando. Prova disso é esse post, que vai discorrer sobre o mais novo ETF do mercado, ECOO11, graças à atenta participação do nosso leitor especialista em renda fixa, Flávio, que deixou a dica no post sobre o imposto de renda nos ETFs.

A iShares será a gestora desse fundo, que, como o material publicitário acima ilustrado diz, é composto pelas ações das companhias participantes do IBrX-50 que aceitaram participar dessa iniciativa, adotando práticas transparentes com relação às suas emissões de Gases Efeito Estufa – GEE. Esse ETF replica o Índice Carbono Eficiente, que é:

“Um índice de mercado desenvolvido pela BM&F Bovespa e pelo BNDES, baseado na carteira do IBrX-50, que leva em consideração, na ponderação das ações participantes, as emissões de gases de efeito estufa das empresas que compõe a carteira teórica em referência”.

Dito de outro modo: o ETF em análise “pinça” ações de algumas empresas da carteira teórica do IBrX-50, e monta o fundo levando-se em consideração a emissão de gases de efeito estufa dessas mesmas empresas. Abaixo temos alguns dados interessantes do Índice, dados esses atualizados até fevereiro desse ano:

E abaixo vai a carteira teórica do índice para o quadrimestre de Janeiro a Abril de 2012, disponibilizado na FAQ do BNDES:

Itaú, Bradesco, AMBEV, Vale e Banco do Brasil respondem por quase 50% da carteira teórica do ICO2bastante concentrado em bancos, não!?

E aqui vai uma primeira observação importante, ao menos para fins de alocação de ativos: é que pode não haver uma melhoria da diversificação se você pretende investir nesse fundo e já tiver cotas do PIBB11 na carteira. Isso porque, como eu disse acima, o ECOO11 “pinça” ações que já compõem o IBrX-50 – o mesmo que dá base para o PIBB11 – na montagem desse fundo “verde”.

Observe, entretanto, que a ponderação do peso das ações realizada no Índice Carbono Eficiente – ICO2 – é feita de maneira distinta daquela realizada no PIBB11, uma vez que o critério utilizado na estruturação do Índice Carbono Eficiente leva em consideração a emissão de gases de efeito estufa, ao passo que no PIBB11, de acordo com o amigo Jônatas, do blog Efetividade, em artigo em que comparou o PIBB11 com o BOVA11:

A carteira é composta de forma ponderada levando-se em consideração o valor de mercado das empresas. Isto permite a exclusão de uma empresa que está com alto volume de negócios por ser um verdadeiro mico”.

Veja que isso pode refletir resultados diferentes também no plano da rentabilidade, como demonstrado no quadro acima. Em 2011, enquanto o Ibovespa teve desempenho (negativo) de -18,11%, e o próprio PIBB teve queda de expressivos –14,06%, a carteira teórica do Índice Carbono Eficiente (ICO2) teve queda bem menor, de -7,37%. Será que o fato de uma empresa ser ambientalmente mais sustentável contribui para que ela tenha um melhor desempenho no mercado? Fica a pergunta no ar…

O fundo ECO11 possui 36 ações, e tem taxa de administração de 0,38% a.a. Trata-se da menor taxa de administração dentre os ETFs administrados pela iShares – e esse é um fato que deve ser destacado. Tomara que daqui para frente todos os ETFs a serem lançados ofereçam taxas de administração cada vez menores.

Modalidades de investimentos

a) Compra Direta – Com Opção de Venda

  • Valor mínimo: R$ 1.000,00
  • Valor máximo: R$ 25.000,00

b) Compra Direta – Sem Opção de Venda

  • Valor mínimo: R$1.000,00
  • Valor máximo: R$300.000,00

c) FIA – Com Opção de Venda

  • Valor Mínimo: R$ 300,00
  • Valor máximo: R$ 25.000,00

d) FIA – Sem Opção de Venda

  • Valor Mínimo: R$ 300,00;
  • Valor Máximo: R$ 300.000,00

De acordo com a FAQ acima mencionada, “na compra direta, o investidor se torna detentor das quotas do Fundo ICO2, que serão depositadas em sua conta de custódia. Aqueles que aderirem à Oferta Pública de Quotas do Fundo ICO2 por intermédio de um FIA serão investidores indiretos do Fundo ICO2, pois o quotista efetivo será o próprio FIA”. Minha recomendação pessoal é que, se você decidir investir nesse ETF, prefira fazê-lo via compra direta, em razão dos custos mais baixos e da possibilidade efetiva de exercer a opção de venda caso queira, conforme explicaremos abaixo.

O diferencial dessa oferta pública: a opção de venda para investimentos de até R$ 25k

Um grande destaque dessa oferta pública inicial – talvez adicionado para atrair o pequeno investidor assustado com a volatilidade da Bolsa (que não sai do lugar desde 2007) – é a opção de venda, isto é, preenchidas determinadas condições, você poderá revender suas quotas ao BNDES, daqui a um ano, pelo valor original aplicado, descontados os encargos financeiros, e sem acréscimo de juros ou correção monetária. Para não ficar repetitivo, vou transcrever abaixo o comunicado do BNDES, que dá todos os detalhes desse procedimento:

25.  Existe algum diferencial para que o investidor de varejo possa aderir a Oferta Pública de Quotas do Fundo ICO2?
Sim. Os investidores de varejo que adquirirem quotas do Fundo ICO2 via Compra Direta – Com Opção de Venda ou por meio da modalidade FIA- Com Opção de Venda, terão direito de revender quotas do Fundo ICO2 à BNDESPAR pelo valor original aplicado no âmbito da Oferta Pública de Quotas do Fundo ICO2, sem acréscimo de correção monetária e juros, descontados todos os tributos e encargos devidos, até o limite máximo de R$ 25.000,00.

26.  Qual a vantagem da Opção de Venda (PUT)?
A principal vantagem é a garantia que o investidor tem de ter o direito a ter suas quotas do Fundo ICO2 recompradas pela BNDESPAR, pelo mesmo valor originalmente investido, sem o acréscimo de correção monetária e juros e descontado de todos os tributos e encargos devidos, durante o período de exercício.

27.  Como exercer o direito da Opção de Venda (PUT)?
Para garantir o direito de exercício da Opção de Venda, o investidor não poderá alienar, onerar, ou ainda transferir a custódia das quotas do Fundo ICO2 objeto da Opção de Venda até o fim do período de bloqueio, previsto para 12/07/2013. O investidor deve manifestar sua intenção de exercício da Opção de Venda por meio da Instituição Consorciada que intermediou a aquisição das quotas na Oferta Pública de Quotas do Fundo ICO2, exclusivamente no período compreendido entre o 366º (tricentésimo sexagésimo sexto) dia, inclusive, e o 395º (tricentésimo nonagésimo quinto) dia, inclusive, seguintes à data de liquidação da Oferta Pública de Quotas do Fundo ICO2. Estima-se que o período de exercício se estenda entre 13/06/2013 e 12/07/2013 (grifos por minha conta).

28.  A opção de venda é transferível?
Não.

29.  Na modalidade Compra Direta – Com Opção de Venda, o investidor poderá vender as quotas do Fundo ICO2 que contam com opção de venda antes do período de exercício?
Sim, porém neste caso o investidor perderá automaticamente o direito de revenda em face da BNDESPAR.

30.  Se o cliente investir por meio da modalidade FIA Com Opção de Venda, como será o exercício da Opção de Venda contra a BNDESPAR?
Neste caso, a decisão de vender as quotas do Fundo ICO2 para a BNDESPAR no âmbito da Opção de Venda será tomada exclusivamente pelo administrador de cada FIA Com Opção de Venda, que tomará tal decisão sempre no melhor interesse de seus quotistas.

31.  O investidor pode exercer a opção de venda parcialmente? Ou seja, se o investimento foi de R$ 25.000,00 em quotas do Fundo ICO2 com opção de venda, ao final do período o investidor pode exercer a opção sobre o valor de R$ 15.000,00, por exemplo?
Sim, é possível. Os investidores têm a faculdade de exercer a Opção de Venda parcialmente. Neste caso, na época prevista para manifestar o interesse em exercer a opção de venda para a BNDESPAR, o investidor deverá discriminar sobre quantas quotas do Fundo ICO2 pretende exercer seu direito de revenda, até o limite de R$ 25.000,00.

32.  E no caso da adesão via FIA – Com Opção de Venda, o investidor poderá resgatar suas quotas  imediatamente ou haverá carência?
Somente será permitido o resgate de quotas dos FIA Com Opção de Venda após o término do período de bloqueio, previsto para ocorrer em 12/07/2013.

Ou seja, grosso modo, esse mecanismo de opção de venda faz o ECO11 se parecer um pouco com os famigerados “fundos de capital protegido” que os bancos de varejo adoram lançar de vez em quando. Só que sem aquelas regras complicadas todas, sem aquela carência toda, e, principalmente, sem aquelas limitações e altas taxas de administração todas que os fundos de capital protegido costumam cobrar.

O leitor Flávio já sacou a atratividade dessa peculiar vantagem oferecida na oferta pública inicial do ECOO11:

“Portanto, o BNDESPAR oferece a opção de você vender pelo preço que você comprou a cota do ETF, em caso de mercado de baixa, após 1 ano.

Trata-se de uma grande vantagem, porque em caso de queda do mercado acionário, nós investidores (até o valor de R$ 25 mil) perderíamos somente o custo de oportunidade da aplicação dos recursos em outro ativo, como por exemplo no mercado de renda fixa.

A emissão será semelhante a primeira oferta do PIBB11″.

Exemplificando: suponha que você tenha decidido investir R$ 20 mil em cotas do ECOO11, e que, no dia 15.06.2013 (exatamente dentro do período do exercício de venda – datas ainda sujeitas à confirmação), seu investimento tenha sofrido uma desvalorização de 50%, fazendo suas cotas do ECOO11 valerem apenas R$ 10 mil. Nesse caso, se você precisar (ou quiser) se desfazer do investimento, lá no dia 15.06.2013, ao invés de vender as cotas na Bovespa e amargar um prejuízo de 50%, basta exercer a opção de venda para a BNDESPAR, que você receberá de volta os mesmos R$ 20 mil que aplicou, descontados todos os tributos (que nesse caso não existe, pois IR só incide sobre acréscimo patrimonial) e encargos devidos (como taxas de corretagem e custódia), e sem o acréscimo de quaisquer valores a título de juros ou correção monetária.

É uma excelente vantagem dessa oferta pública inicial, pois, como bem lembrou o Flávio, “perderíamos somente o custo de oportunidade da aplicação dos recursos em outro ativo, como por exemplo no mercado de renda fixa”, e eventualmente – acresentaria eu – o custo da inflação do período.

Observe também que você só terá a liberdade efetiva de exercer a opção de venda caso opte pela compra direta, pois, como esclarecido na resposta à  pergunta 30,  no caso de investimento via fundo de ações de banco de varejo (FIA), a decisão de vender as quotas do Fundo ICO2 para a BNDESPAR no âmbito da Opção de Venda será tomada exclusivamente pelo administrador de cada FIA Com Opção de Venda, que tomará tal decisão sempre no melhor interesse de seus quotistas.

Conclusão

Trata-se de mais uma boa alternativa de investimento em renda variável colocada à disposição dos pequenos investidores. A baixa taxa de administração combinada com o peculiar critério de seleção das ações e seus respectivos pesos para a composição do Índice, aliados ainda à existência da opção de venda (desde que preenchidas as demais condições da oferta), colocam esse ETF num patamar privilegiado de opções de investimentos em renda variável. Porém, esse fundo talvez não possa ser interessante para quem já detiver posições em BOVA11 ou (principalmente) PIBB11, em razão da composição do fundo, cujas ações coincidem com aquelas que fazem parte do IBrX-50 (embora em proporções distintas, conforme acima examinado). Como sempre recomendo, faça uma análise detalhada desse investimento de acordo com seu perfil de risco, e sua atual estratégia de alocação de ativos, a fim de decidir se vale a pena ou não entrar nessa oferta pública inicial.

Bons investimentos!

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

——————————

Para saber mais:

ECOO11 – Conheça melhor;

Prospecto (PDF – 10 MB);

Regulamento (PDF – 2,3 MB);

Perguntas e respostas;

Página do ECOO11 na iShares.

Print Friendly, PDF & Email

, , ,

62 Responses to Vem aí um ETF “verde” – ECOO11 – com opção de venda!

  1. Breno Medeiros 14 de maio de 2012 at 9:30 #

    Para quem está tão preocupado com a proteção do meio ambiente e as emissões de CO² eu sugiro a leitura da matéria ““Rio+20 é mamata e aquecimento, história pra boi dormir”, diz professor”, publicada no Portal Terra no dia 12 de maio de 2012. Segue o link:
    http://noticias.terra.com.br/ciencia/rio20/noticias/0,,OI5768714-EI19851,00-Rio+e+mamata+e+aquecimento+historia+pra+boi+dormir+diz+professor.html

    Esse ETF pode ser interessante não para quem pretende “proteger o planeta”, mas para quem quer uma determinada concentração em empresas participantes do IBrX-50, mas diferente do próprio Índice, pois como você muito bem observou, Guilherme, essa carteira está bastante concentrada em bancos. De maneira geral isso não é ruim, principalmente se o investidor quiser aproveitar a taxa de administração cobrada por este fundo para investir em ETF.

    Não faz muito sentido a sua frase: “Será que o fato de uma empresa ser ambientalmente mais sustentável contribui para que ela tenha um melhor desempenho no mercado? Fica a pergunta no ar…”. A própria concentração num determinado setor seria uma justificativa mais plausível. Veja bem: se você pegar aleatoriamente, dez, vinte ou trinta empresas do IBrX-50, dificilmente vai conseguir reproduzir o índice.

    Apesar da proteção sobre o montante de até R$ 25 mil, não acho muito interessante a compra direta desse tipo de fundo, acho melhor aguarda a sua consolidação para verificar inclusive a liquidez.

  2. Breno Medeiros 14 de maio de 2012 at 9:38 #

    Corrigindo:

    “[…] acho melhor aguardar a sua consolidação para verificar inclusive a liquidez.”

    Eu sou muito impaciente… meus comentários sempre apresentam erros de ortografia, por falta de uma segunda leitura. Eu sempre leio depois e vejo, mas não vou nem fazer uma terceira leitura. kkkkk!

  3. MJC 14 de maio de 2012 at 10:14 #

    Alguém sabe as corretoras participantes? Olhei na seção de IPO da Rico e não vi nada lá sobre isso.

    Interessante, principalmente pela parte de ter o investimento de volta caso não vá pra frente em um ano. Considerando as quedas na taxa de juros, melhor botar nesse fundo e esperar.

  4. Jônatas R. Silva 14 de maio de 2012 at 14:47 #

    Grande Gui, quanto mais ETFs melhor a situação do investidor passivo.
    Quanto ao efeito estufa, recomendo a entrevista de um professor da USP ao Jô Soares: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=oJTNJBZxX6E#!

    O ETF tem uma concentração muito grande em bancos e o momento atual é uma incógnita. Como ele apenas pincela o PIBB, vejo que o melhor mesmo é investir no próprio PIBB, maior diversificação.

    O atrativo está ligado à questão ambiental, este é o marketing do novo ETF.

    Abraço.

  5. Flávio 14 de maio de 2012 at 23:44 #

    Guilherme, ficou muito boa sua análise sobre o produto.

    Apesar de mais concentrada, o índice ICO2 contém mais empresas ligadas ao setor interno (bancos, alimentação, bebidas e cartão de crédito), e por isso, pode apresentar um retorno melhor do que o IBOVESPA, dada toda a incerteza do mercado externo. Não estou levando em consideração a questão ambiental do índice, tendo em vista que não tenho conhecimento suficiente sobre uma correlação entre questão ambiental e o desempenho acionário. Contudo, a opção de venda torna a oferta pública do BNDES, até o valor de R$ 25 mil, uma opção bastante atrativa e oportuna. Oportuna, porque o momento de baixa do mercado acionário sugere um potencial maior de valorização nesse mercado e, segundo, porque a taxa de juros a ser utilizada como parâmetro de custo de oportunidade está em um patamar baixo. Dessa forma, quem comprar o ETF até R$ 25 mil, levará uma opção de venda grátis que “custará” apenas o custo de carregamento da manutenção até 01 ano da posição. Considerando que os dividendos e JCP são creditados na cota do índice e o potencial de ganho do mercado acionário, acredito que o produto apresenta uma excelente relação entre retorno e risco.

    O produto também é recomendável para os investidores que tem uma forte aversão a perda e pode representar a porta de entrada de novos investidores que o mercado tanto necessita.

    O ETF com a opção de venda assemelha-se ao fundo de capital garantido, sendo que neste último o cliente além de pagar pela opção de venda embutida, ainda incorre na taxa de administração.

    Dado o volume que o BNDES deve ofertar (R$ 1,5 bilhão), acredito que o mercado secundário do ETF seja tão bom quanto foi o PIBB11 em sua primeira oferta inicial.

    Abs.

  6. TBB 15 de maio de 2012 at 22:00 #

    Apesar dos ótimos exemplos que temos de produtos lançados pelo BNDES ou em parceria com outras empresas tenho minhas dúvidas sobre este. O termo Ecoo é muito abrangente, e uma empresa que divulga a quantidade de CO2 emitida nem sempre é mais responsável ecologicamente que outra empresa que não o faz. Sem falar na qualidade das empresas que compõe este índice. De positivo temos a baixa taxa de administração (em comparação com outros ETFs da Blackrock) e a opção de venda.

  7. Guilherme 16 de maio de 2012 at 7:29 #

    Ótimos comentários, pessoal!

    Quanto às questões ambientais do índice, concordo com vocês, me parece mais uma estratégia de marketing do que qualquer outra coisa.

    E quanto ao custo de oportunidade, de fato com a queda dos juros, ele fica num patamar mais baixo, como o Flávio explicou.

    Breno, tem razão quanto à frase reproduzida. Desculpas pela confusão.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  8. Ricardo 23 de maio de 2012 at 20:05 #

    Os comentários foram muito bons além da própria reportagem mas queria colocar aqui mais duas observações, uma delas em forma de pergunta :

    1)Se a bolsa cair , além do custo de oportunidade citado por alguns , você ainda perderá a inflação ocorrida no período , estimada para algo em torno de 5%

    2)Há o perigo de que , neste período, a bolsa suba e o investidor não queira resgatar junto ao BNDESPAR o dinheiro investido. Aí mais tarde quando ele precisar do dinheiro e for resgatar descobre que o fundo tem uma liquidez muito ruim e não consegue resgatar os papéis. Caso não concordem com o risco de iliquidez, não faria então sentido o cara tirar o que tem no PIBB e BOVA ( até $25000 ) e colocar neste fundo para se proteger do atual momento turbulento ? Mesmo que considerem que a distribuição de empresas do PIBB e Bova seja mais equilibrada que o ECOO?

    • Guilherme 27 de maio de 2012 at 8:38 #

      Oi Ricardo!

      1) Sim, você tem razão, devemos considerar também esse custo “oculto” chamado inflação, que é um dos piores;

      2) Sim, é uma estratégia que pode ser considerada válida, dependendo do perfil do investidor, uma vez que esse “seguro” de até R$ 25 mil, sob o aspecto psicológico, pode se demonstrar uma alternativa viável. O único “problema” é tirar justamente “agora”, em que as cotações do PIBB e BOVA se desvalorizaram bastante em relação ao preço de 1 mês atrás (queda de cerca de 10%).

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  9. Rodrigo 23 de maio de 2012 at 23:03 #

    Guilherme,
    Antes de mais nada, parabéns por mais um ótimo post! Já tinha conhecimento da oferta, porém ainda não tinha lido o prospecto, após ler seu excelente artigo fui estimulado a dar uma passada pelo material.

    Ricardo,
    Abaixo deixo meus comentários para suas questões:
    1) Sim, além do custo de oportunidade o material deixa claro que não haverá eventual correção de indices de inflação, ou seja, investiu 25k você poderá exercer seu direito com os 25k (semelhante uma operação de opção da BMF).
    2) Eu particularmente não concordo com o risco de liquidez (não a ponto de não conseguir resgatar os papeis e ter perdas significativas com isso – por vários motivos e um deles é que o gestor do fundo o iShares costuma garanti um mínimo de liquidez). Quanto ao fato de “tirar” investimentos atuais de um outro ETF, acredito que vai muito do perfil de cada investidor, tempo disponível para os recursos destinados, etc. De qualquer maneira entendo que esse ETF neste momento, é sim um diferencial para os pequenos investidores.

    Até mais!
    Abraços

    • Guilherme 27 de maio de 2012 at 8:39 #

      Rodrigo, excelentes comentários! Concordo com seus argumentos, e assino embaixo. 🙂

  10. Daniel 25 de maio de 2012 at 18:04 #

    O preço de compra da cota com opcionalidade é o mesmo da cota sem put ? E esse valor será igual a soma ponderada das posições no dia da emissão ?

  11. Ricardo 27 de maio de 2012 at 23:42 #

    Ao fazer o investimento tem como separar o dinheiro a ser investido apenas relativo à poupança nova? Em outras palavras, tem como assegurar que o dinheiro a ser investido só saiu da nova poupança. O gerente nao soube me responder isto .
    Outra coisa estranha foi que ele só achou o fundo Ico2 e nao o Ecoo11. Mas acertou quando viu o prazo para entrar neste fundo. Vou ter que ler o contrato com cuidado.

    • Guilherme 2 de junho de 2012 at 12:54 #

      Ricardo, em relação à poupança, teria que ver se no banco em que você tem a poupança existe essa possibilidade de “contas de poupança” separadas por data de aplicação. Alguns bancos, pelo que eu fiquei sabendo, permitem essa diferenciação – BB é um deles.

      Sobre os fundos, o ECOO11 é o ETF que irá espelhar a carteira teórica do ICO2.

      Bons investimentos!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  12. Evandro 29 de maio de 2012 at 16:53 #

    A minha pergunta pode parecer burra, mas sou principiante. Como no exemplo dado, se eu investir 20.000 em compra direta com opção de venda, e, um mes depois essas ações estiverem valendo 22.0000, eu posso vende-las normalmente?
    Obrigado

  13. João 30 de maio de 2012 at 12:44 #

    Complementando a pergunta do Evandro, posso resgatar somente os dividendos, e caso o mercado entre em baixa antes do fim do acordado, e minha cota esteja em baixa posso estar resgatando o valor inicial?

    • Guilherme 2 de junho de 2012 at 12:57 #

      João, não há pagamento de dividendos pelo fundo, os quais são reinvestidos pelo gestor no próprio fundo.

      Sobre a segunda pergunta, pode sim, mas é recomendável fica com a aplicação, e exercer a opção de venda, caso esse cenário de baixa perdure.

  14. Leandro 31 de maio de 2012 at 12:42 #

    Me digam uma coisa, como é formado o preço do fundo?! É formado pela variação dos papeis que compõe o índice ou pelo o último negócio que está ocorrendo na Bovespa?

    Pelo o que eu estou vendo no BOVA11, o preço do fundo está sendo formado pela negociação do papel na bolsa. Eu tenho o BOVA11, quero vender a 50,00. O cara compra a 50,00, o preço atual dela é 50,00.
    Se é assim, para que serve uma AMBV4 com peso de 12% dentro do índice que compõe o fundo? Não sei se fui claro… 🙁

    • Guilherme 2 de junho de 2012 at 12:59 #

      Leandro, em tese, é pelo último negócio que está ocorrendo na Bovespa, mas esse negócio reflete o valor da carteira teórica do fundo, o que, em última análise, reflete a variação do preço dos papéis.

      • Leandro 2 de junho de 2012 at 18:38 #

        Ihh, não entendi. 🙁

        Os papeis que compõe o índice só funciona como um fator psicológico?
        Por exemplo, digamos que a AMBV4 tivesse um peso de 100% no fundo. Hoje, durante o pregão, o papel AMBV4 está sendo negociado a uma variação de +10%. Essa variação só vai influenciar no psicológico do investidor, correto? Ele vai pensar: se AMBV4 está sendo negociado a +10%, vou querer vender o meu papel a +10%. É isso?!

        Excelente blog.

        • Guilherme 2 de junho de 2012 at 18:48 #

          Leandro, acho que eu me expressei mal…desculpa…

          Na verdade, o preço do fundo é formado pelas duas coisas: variação dos papéis que compõem o índice, em primeiro lugar, que acaba se refletindo no preço do último negócio que está ocorrendo na Bovespa.

          Para evitar um eventual “descasamento” entre o preço da cota do fundo no pregão, e o valor subjacente dos papéis durante o pregão, a gestora do fundo (Black Rock, no caso da maioria dos ETFs no Brasil) faz a atuação, controlando o preço da cota, de modo que ela não fique “descolada” do valor do índice de referência.

          É isso aí!
          Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

          • Evandro 4 de junho de 2012 at 11:25 #

            Mas na prática existe uma perda ai, concorda comigo?

            Vi um estudo(acho que foi no HC) que as cotas do pib11 superam o indice, por conta dos alugueis e tal.

            Mas na históricamente o pib11 é sempre negociado abaixo do valor indice.

            É pouco coisa, mas ao meu ver, tira boa parte das vantagens alardeadas dos ETFs.
            (Que são os alugueis e o rápido reenvestimento dos dividendos)

            Não deveria acontecer o oposto? as cotas serem negociadas pouco acima do indice?

            • Guilherme 4 de junho de 2012 at 19:29 #

              Olá, Evandro!

              Pode de fato ocorrer um pequeno desvio de aderência nas negociações no intra-day – o chamado tracking error – mas acredito que, no longo prazo, isso não impactará negativamente o investidor que tenha ETFs na carteira, pois, no final do pregão, o gestor faz um ajuste de modo a que o valor das cotas espelhe com a maior fidelidade possível o valor do índice. 😉

              É isso aí!
              Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  15. roberto silveira 2 de junho de 2012 at 12:44 #

    Excelente o conteúdo de informações. Gostaria de saber o seguinte: hoje estou com prejuízo de 10% na minha carteira. Vale a pena vender metade por ex. e comprar o eco2, considerando que o mercado todo? Onde o eco2 vai adquirir as cotas após o book building? Também esta proporcionalmente negativo nesse valor?

    E mais, aderindo hoje à oferta, quando vou pagar, ou seja, quando vou ter que ter o dinheiro para compra do fundo na minha conta.

    Desde já muito grato pelas respostas.

    roberto

  16. Guilherme 2 de junho de 2012 at 14:39 #

    Olá, Roberto, obrigado!

    1) Sobre a venda da carteira com prejuízo, é uma decisão muito pessoal. E somente cabe a você decidir. Só se lembre que não valeria a pena vender agora num mercado em queda expressiva.

    2) Você deve ter o dinheiro na conta até segunda-feira, dia 4.

  17. augusto 4 de junho de 2012 at 16:14 #

    Ola Guilherme,

    Já é um pouco tarde para pedir auxilio para as duvidas abaixo, mas mesmo assim se vc ou alguem do blog puder ajudar:

    No momento em que fiz a reserva de pedido, foram apresentadas as seguintes opções:

    1. Compra Direta sem opção de venda não condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    2. Compra direta sem opção de venda condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    3. Compra direta com opção de venda não condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    4. Compra direta com opção de venda condicionando a totalidade das quotas ofertadas (foi o que escolhi)

    Restante das opções apenas para pessoas vinculadas e não se aplica a mim.

    A opção que escolhi não liquidou totalmente o valor do pedido (o valor do pedido foi aceito parcialmente).

    A pergunta é: Escolhi a opção errada ou não é possível, para o pequeno investidor, determinar que o pedido seja aceito de forma integral (todo o valor reservado na conta da corretora) ?

    Obrigado

    • Guilherme 4 de junho de 2012 at 19:32 #

      Olá augusto.

      Na verdade, a liquidação irá ocorrer dia 12, semana que vem.

      Fique tranquilo que, se a totalidade das cotas ofertadas for aceita pelo mercado, seu pedido de reserva estará garantido (pelo menos essa é a interpretação que faço das opções).

      De qualquer forma, melhor aguardar até o dia 12 para saber efetivamente quantas cotas você terá adquirido.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  18. Augusto Rodrigues 4 de junho de 2012 at 21:30 #

    Guilherme,

    Então ocorreu um debito indevido ou não previsto. A opção de compra fornecido pela oferta é na faixa ou custa algo para o investidor ?

    Att

  19. Augusto Rodrigues 4 de junho de 2012 at 21:32 #

    Digo isso porque houve um debito apos a aceitação do pedido de reserva.

    Esse procedimento é normal, algo como garantia para a compra das ações do ETF ?

    De qualquer forma, irei ver amanha, porque a conta deposito informa um valor inferior ao valor de saldo em conta.

    Obrigado pela resposta.

    • Guilherme 4 de junho de 2012 at 22:24 #

      Oi Augusto, esse procedimento da corretora deve ser averiguado.

      Eu realmente não sei se a corretora pode debitar o valor da reserva já no ato do pedido de reserva.

      Falo isso porque fiz a reserva por uma corretora que exigia que eu tivesse no dia de hoje 25% do valor do pedido, sendo que os outros 75% devem estar na corretora até o dia da liquidação (12/06). Desse modo, não precisei estar com todo o valor solicitado no dia de hoje.

      Verifique com sua corretora o que ocorreu, e se esse débito já no ato da reserva faz parte da política da empresa.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  20. Augusto Rodrigues 4 de junho de 2012 at 23:15 #

    Guilherme,

    Fiz as contas e acho que a minha corretora fez esse procedimento.

    Agora lembro que tem uma “guia” que, se clicada, mostra as garantias e outras informações.

    Vai ver que essas informações sobre reserva estava nessa guia.

    Mas vou confirmar do mesmo jeito.

    Obrigado pelas informações.

    • Guilherme 5 de junho de 2012 at 8:03 #

      Bem lembrado, Augusto.

      No item “garantias” estarão todas as informações sobre as garantias que deveriam ser depositadas.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  21. Rafa 4 de junho de 2012 at 23:42 #

    Guilherme, antes de tudo, parabéns pelo excelente blog e pelo rico conteúdo.

    Gostaria de saber sua opinião quanto à:

    – Rentabilidade do ICO2 de 2010 para cá. Ao que parece, não teve uma performance muito boa.

    – Liquidez do ECOO11. Como apontado por outro forista, você não acha que isso pode ser um fator limitante de desempenho e valorização?

    – E sobre a grande exposição a empresas do setor bancário, tendo em vista o cenário atual de baixos juros, o que deve durar algum tempo ainda, impedindo talvez uma maior lucratividade das empresas.

    Reservei hoje 25k mas confesso que só agora comecei a avaliar esses itens, o que me causou certo desconforto.

    Obrigado pela atenção.

    • Guilherme 5 de junho de 2012 at 8:21 #

      Olá, Rafa, obrigado!

      Sobre as suas dúvidas:

      – Rentabilidade: concordo que nos últimos tempos o ICO2 não vem apresentando bom desempenho. Mas acredito também que isso não deva ser motivo para preocupação, pois significa que as ações que compõem o índice estão ficando mais baratas. Pior seria se a rentabilidade passada tivesse sido alta, pois isso significaria que as chances de apresentar rentabilidade futura maior seriam menores, pelo efeito da regressão à média.

      Ademais, o índice vem tendo uma melhor rentabilidade que o IBovespa, sendo mais conservador, portanto. No ano, a queda é de -1,17% e, nos últimos 12 meses, -3,75%, ante o IBovespa com queda no ano de -5,88%, e de -16,98% nos últimos 12 meses.

      Embora o desempenho a curto prazo não seja dos melhores (o que é bom, na minha opinião, pois aumenta a expectativa de retornos futuros maiores, tendo em vista a qualidade média das ações que compõem o índice ICO2), vejo com boas perspectivas a rentabilidade do fundo para o longo prazo.

      Se você olhar a composição do índice, verá que ele é dominado por empresas dos setores financeiro, consumo não cíclico e materiais básicos. Ou seja, não depende tanto de commodities como o Índice Bovespa.

      – A liquidez não é um fator limitante para o desempenho e valorização: o que influencia o desempenho do fundo de índice, na verdade, é o desempenho das ações subjacentes ao índice, e não sua liquidez no mercado. Tanto isso é verdade que o SMAL11 continua a ter uma liquidez muito baixa, mas isso não o impediu de ter alcançado expressivas valorizações nos últimos anos, e de, nesse ano, novamente estar performando acima do IBOV.

      A liquidez prejudica mais os traders e especuladores de curto prazo. Para investidores com estratégias de médio e longo prazo, é um fator nem tanto assim preocupante.

      – Quanto à exposição a empresas do setor bancário, ainda é cedo para avaliar o real impacto das medidas. Isso porque a mídia exagera mais do que o costume para chamar a atenção do povo, sendo que no fundo a situação pode ser bem diferente.

      Eu prefiro aguardar os resultados trimestrais que serão divulgados ao longo do segundo semestre para ver qual foi o real impacto das medidas anunciadas pelo governo. E é bom lembrar que os bancos têm instrumentos para compensar a queda nos lucros em um setor por meio de aumentos de lucros em outros setores. Eles estão dando um jeito de aumentar a receita com tarifas para compensar a queda das taxas de juros. E devem ter muitas outras “cartas na manga” para continuar com seus lucros bilionários.

      Além de tudo isso, é de bom alvitre relembrar que o peso do setor bancário não influencia tanto assim quanto imaginamos. Basta lembrar que o IT NOW (FIND11), ETF que espelha o Índice Financeiro da Bolsa, apresenta no ano queda de -4,82%, bem acima do ICO2. A queda mais amortecida do ICO2 é explicada pelo balanceamento da carteira com ações de outras empresas cujos setores não têm sofrido tanto com a crise, como os de consumo interno.

      Enfim, no final das contas, ainda acredito que seja um bom investimento o ECOO11. E, se não o for, no ano que vem há a possibilidade de resgate pelo valor nominal de compra, que é um verdadeiro “almoço grátis”, raríssimo de se ver em se tratando de IPO.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  22. Augusto Rodrigues 5 de junho de 2012 at 9:01 #

    Guilherme,

    “Almoço gratis” é a sua analise sobre o ECOO11 e o mercado em geral. 🙂

    Se eu tivesse essa sua analise era bem provável que entraria com mais recursos financeiros na oferta.

    Um lado que não levei em consideração é que se o ETF vingar por um período, comprar as cotas no mercado não vai ter a mesma proteção fornecida pela opção de compra da oferta.

    Ou seja, caso o pequeno investidor queira arriscar mais, vai correr um risco maior se comparado com o montante aplicado na oferta pública ECOO11.

    Mesmo assim, parabéns pela sua análise!

    Att

    • Guilherme 5 de junho de 2012 at 21:35 #

      Então, Augusto, a compra no mercado é bem mais arriscada mesmo, pelos motivos que você disse.

      E pelo visto o BNDES levantou a totalidade da oferta… a procura nas corretoras foi muito forte.

      Obrigado!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  23. Rafa 5 de junho de 2012 at 11:36 #

    Guilherme, muito obrigado pela resposta. Eu sabia que seria uma resposta bem embasada, mas não imaginava tanta riqueza de detalhes. Que aula!

    • Guilherme 5 de junho de 2012 at 21:36 #

      Muitíssimo obrigado pelas palavras, Rafa! É sempre um prazer poder ajudar!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  24. Flávio 8 de junho de 2012 at 9:27 #

    Segue a notícia sobre a alteração de cronograma.
    Impressionante constatar que o mercado de renda variável quando está em “Promoção” os clientes não aproveitam, ao contrário do mercado de bens de consumo, como roupas, eletrodomésticos e outros bens mais supérfluos.

    Cada vez mais estamos precisando de Educação Financeira.

    ___________________

    ALTERAÇÃO DE CRONOGRAMA

    O cronograma da Oferta Pública de Cotas do Fundo ECOO11 foi alterado e o período de reserva foi prorrogado até 12/06.

    A modificação do cronograma foi uma decisão dos Coordenadores BB e Citi, em conjunto com o BNDES, com o objetivo de continuar a incentivar a participação dos investidores de varejo. Com essa prorrogação, está aberta uma nova oportunidade para captação de reservas dos clientes.

    Conforme artigo 27 da Instrução CVM 400, em virtude das modificações na estrutura da Oferta, os investidores terão a opção de desistir de sua intenção de investimento, devendo comunicar ao Banco sua decisão de desistência, no prazo de 5 dias úteis.
    ——————————————————————————————————————

  25. augusto 8 de junho de 2012 at 10:44 #

    Flavio,

    Não concordo muito com a sua comparação. Ao menos bens de consumo são imediatos enquanto que renda variavel não. 😉

    Mas voltando ao foco da noticia, porque comunicar ao Banco se a subscrição é realizada através da corretora ? Ou estou equivocado sobre isso ?

    Att

  26. augusto 8 de junho de 2012 at 10:48 #

    Flavio,

    Outra dúvida seria : Ocorre custo para as pessoas que queiram desistir da sua intenção de investimentos ?

    Att

  27. Flávio 8 de junho de 2012 at 17:39 #

    Augusto, onde lê-se banco, você pode incluir a corretora (ou seja o agente cuja reserva foi efetuada). Não existe custo em caso de desistência.

  28. augusto 8 de junho de 2012 at 18:21 #

    Flávio,

    Obrigado pela resposta.

    Att

  29. roberto silveira 8 de junho de 2012 at 18:23 #

    Guilherme

    todos e eu também queremos ouvir ou ler no caso, sua abalisada opinião, haja visto o inúmeros comentários.

    ao meu ver as ações estão muito baratas.

    portanto acredito que tanto investindo na bolsa como no fundo ecco11 os ganhos ao longo de 1 ano serão aproximadamente os mesmos, com a diferença de que se não houver ganhos o investidor está com o capital protegio se investiu no ecco11 com opção de venda. isso porque o fundo vai adquirir as cotas baseado nos valores atuais das ações negociadas.

    evidente que usiminas e goll por exemplo se houver recuperação as ações devem ganhar do fundo, pois se desvalorizaram bastante e o peso delas no fundo e relativo. quanto as demais cujo variação não é tão grande, tanto faz para o investidor investir em um ou outro se for sem opçaõ de venda. Embora o intesse geral me parece ser o fato de poder resgatar o valor da apicação após 1 ano caos haja desvalorização. Gostaria de ter tua opinião

    • Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:19 #

      Roberto, suas observações estão corretas. O ECOO11 foi lançado nesse final de segundo trimestre, cujo desempenho da Bolsa, medido em termos trimestrais, e considerando como referência o Índice Bovespa, apresentou queda de cerca de 15%. Portanto, parece que estamos num bom momento de compra de ações.

      Sobre o ECOO11 especificamente, o grande diferencial dessa oferta realmente está no capital protegido após 1 ano.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  30. Rafa 9 de junho de 2012 at 17:57 #

    Ao meu ver, a prorrogação acaba prejudicando quem reservou na data limite, pois depois de tal dia o mercado vem de valorizando com certa consistência, especialmente algumas das ações que compõem o índice ECOO11. Ou seja, os preços já não estão tão atraentes quanto os da semana passada, apesar de ainda estarem convidativos.

    O que acham os amigos sobre esse aspecto dos preços?

    Abrs

    • Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:22 #

      Rafa, embora tenha havido certo aumento dos preços, acredito que não tenha impactado negativamente os investidores que já haviam feito a reserva.

      Observe que o preço inicial foi estipulado em R$ 49, e ontem já havia fechado em R$ 51,60. Embora o curtíssimo prazo não seja um referencial seguro de que “tudo irá correr bem no longo prazo”, acredito que o atraso no cronograma não traga maiores consequências no futuro.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  31. Augusto Rodrigues 10 de junho de 2012 at 12:46 #

    Guilherme,

    Excelente observação. Realmente com a prorrogação do prazo as cotas podem ter o seu valor alterado devido a valorização de determinadas ações que fazem parte do indice.

    Agora ficou uma dúvida: Em um dos seus comentários, voce informa que a procura foi grande. Mas houve essa prorrogação.

    Será que a procura realmente foi grande ou é uma manobra para valorizar as ações que compoem o indice ?

    Att

    • Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:24 #

      Augusto, não sei. Houve informações contraditórias no mercado. A Infomoney noticiou que a procura havia sido grande nas corretoras, mas se realmente fosse grande, não teriam prorrogado a oferta.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  32. Flávio 14 de junho de 2012 at 16:35 #

    O BNDES Participações (BNDESPar) iniciou a distribuição da primeira emissão
    de cotas do Fundo de Índice Carbono Eficiente (ICO2) em distribuição primária de 14.526.458
    cotas e secundária de 6.173.542 cotas, no valor total de R$ 1,014 bilhão. O valor da cota,
    definido em procedimento de coleta de intenções de investimento
    (bookbuilding), é de R$ 49,00.

    A relação entre o valor da cota do ECOO11 (R$ 49,00) e o índice ICO2 deve ser de 1 cota do ECOO11 valendo 20 ICO2, tendo em vista que o ICO2 está cotado com 1.050 pontos.

    Quem solicitou R$ 25 mil, deve ter levado 500 cotas = R$ 24.500,00.

  33. augusto 14 de junho de 2012 at 18:43 #

    Flávio,

    Apesar de inicialmente querer desistir da oferta apos a reserva, eu não cheguei a enviar o e-mail solicitando a desistencia.

    Mesmo assim vi que os recursos foram devolvidos. Por um acaso houve rateio nessa oferta ?

    Att

  34. augusto 14 de junho de 2012 at 19:04 #

    Flávio,

    Por exemplo, escolhi as opções “Compra direta com opção de venda condicionando totalidade da oferta” e “Não condiciono minha aceitação ao preço máximo por Ação”.

    E aparentemente ate o valor da garantia retornou ao saldo da conta da corretora.

    Por isso que estou deduzindo que houve rateio. Foi esse o caso ?

    Att

  35. Flávio 15 de junho de 2012 at 10:00 #

    Prezado Augusto, de acordo com a notícia abaixo, você não foi alocado por que a oferta não foi totalmente alocada.

    _________________
    ETF do Índice de Carbono Eficiente é precificada a R$ 49,00 por cota
    Comentários: (0) 14 de junho de 2012 • 15h17 • atualizado às 15h55

    Por: Marcel Teixeira

    SÃO PAULO – A BM&FBovespa comunicou nesta quinta-feira (14) o resultado da precificação para a oferta pública de quotas de ETF (Fundos de Índice, na sigla em inglês) do Índice de Carbono Eficiente (ICO2), a serem negociados sob o código ECOO11. O valor fixado foi de R$ 49,00 por cota, o que representa um desconto de 2% sobre o montante de R$ 50,00, valor de cota utilizado conforme documentos da oferta.

    Ainda segundo o comunicado, os investidores que realizaram as ofetas nas modalidades 2, 5, 12,15, 22 e 25 não foram alocados, uma vez que estas só seriam atendidas se houvesse a colocação da totalidade da oferta do índice.

    A BM&FBovespa explica que o investidor receberá a quantidade de cotas referente ao preço inicial da oferta (R$ 50,00), mas o valor a ser debitado do investidor será de R$ 49,00 por cota. Exemplo: se o investidor entrou na oferta com R$ 10 mil, ele receberá 200 cotas (R$ 10 mil dividido por R$ 50), mas será cobrado dele R$ 9.800 (200 cotas multiplicado por R$ 49).

  36. augusto 15 de junho de 2012 at 11:12 #

    Flávio,

    Muito obrigado pelo esclarecimento. É incrível como obtenho mais esclarecimentos nesse blog do que com a corretora!

    Bom, mas voltando a noticia, então foi realmente um almoço grátis não ? Alem de receber na faixa a opção de compra por parte do BNDS, as cotas foram vendidas com um desconto!

    Att

    • Alexandre 19 de junho de 2012 at 21:05 #

      O desconto foi a sobremesa…

      • Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:27 #

        De fato, a oferta teve benefícios interessantes. Ponto para o BNDESPar!

        É isso aí!
        Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  37. Ricardo 15 de junho de 2012 at 21:12 #

    Como esse é praticamente meu primeiro investimento estilo ” fundos garantidos” por favor não se espantem ( muito!! ) com o nível das minhas perguntas :

    a) Que modalidades são estas citadas pelo Flávio (2, 5, 12,15, 22 e 25 ) ? Procurei na net, nos folhetos do BNDES sobre a oferta pública e nada achei. Na hora que fiz o investimento as opções que me deram foram:

    1. Compra Direta sem opção de venda não condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    2. Compra direta sem opção de venda condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    3. Compra direta com opção de venda não condicionando a totalidade das quotas ofertadas

    4. Compra direta com opção de venda condicionando a totalidade das quotas ofertadas .

    b) Queria saber, de curiosidade , porque deram esta opção de participar da oferta podendo condicionar a totalidade da oferta.Vai ver não entendi direito o que significa isto. Minha interpretação era a mesma do Guilherme. Isto significa que nem toda a oferta foi aceita pelo mercado daí a queda de 50 reais para 49?

    c) Na frase : “O BNDES Participações (BNDESPar) iniciou a distribuição da primeira emissão
    de cotas do Fundo de Índice Carbono Eficiente (ICO2) em distribuição primária de 14.526.458
    cotas e secundária de 6.173.542 cotas, no valor total de R$ 1,014 bilhão” O que significa emissão primária e secundária? Secundária significa aquilo que o mercado não quis na oferta pública então será posto à venda na bolsa?

    • Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:31 #

      Oi Ricardo!

      a) São modalidades que condicionaram a aplicação à colocação da totalidade da oferta do índice.

      b) Realmente, nem toda reserva foi aceita de acordo com as regras estipuladas. Quanto ao desconto, me parece ter sido uma bonificação do ofertante, mas não vejo relação entre o desconto e a não aceitação da totalidade dos pedidos de reserva.

      c) Não sei a diferença. Se alguém souber, por favor ajude-nos a decifrar essa pergunta. 🙂

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  38. Ricardo 25 de setembro de 2012 at 20:17 #

    Agora vi que você tirou férias neste período mas ainda assim não deixou de me responder! Meu obrigado , ainda que tardiamente

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes