[via Frugal Dad] Jogando fora: as coisas vêm e vão, mas as memórias duram para sempre

O Frugal Dad compõe, juntamente com o Get Rich Slowly e o The Simple Dollar, a trilogia de blogs norte-americanos de finanças pessoais que eu regularmente acompanho. A frequência de artigos não chega a ser tão alta quanto nos outros dois blogs, mas a qualidade e o valor dos textos produzidos pelo Frugal Dad compensam – e muito – a menor produção.

Pois hoje é o dia de comentar o melhor artigo que já li no FD. Ele trata da questão das coisas que possuímos, e de quão difícil é para nós nos desapegarmos delas. O título em si já diz tudo: jogando fora: as coisas vêm e vão, mas as memórias duram para sempre. Eu escrevi sobre esse tema em um artigo já meio remoto – A arte do desapego – mas cujo assunto resolvi voltar dado a importância do tema.

Nesse artigo, FD comenta a difícil situação de jogar fora as coisas deixadas por seu avô, que havia falecido há um mês. A tarefa é muito complicada, principalmente quando ele se depara com as coisas que têm valor sentimental. E para você, é difícil também jogar fora as coisas que têm valor sentimental?

Embora jogar no lixo seja uma atitude crítica, muitas vezes é a única alternativa que resta. Não adianta nada você ficar acumulando coisas e mais coisas em suas estantes, suas gavetas e suas despensas, entulhando sua casa cheia de tralhas que já não têm mais utilidade, senão a memória embutida nelas. Uma hora você irá ter que se livrar delas. Mas preste atenção nessa frase, escrita naquele artigo:

Só porque você se livra de algo, isso não significa que você perca as memórias“.

O importante, no final das contas, não é aquilo que está dentro do objeto, mas aquilo que está dentro do seu coração. O que vai ficar com você não é um objeto, mas as lembranças daquele objeto. São as lembranças, e não os objetos, que ninguém tirará de você. Lembre-se sempre disso quando estiver diante de um dilema: guardar ou jogar fora?

Os leitores do FD lhe sugeriram tirar uma foto das coisas que foram marcantes, como recordação. Taí uma atitude inteligente. As fotos ocupam menos espaço, e agora com a tecnologia digital, muito menos.

Que você também tenha sabedoria ao lidar com os objetos que tiver guardado consigo. 😉

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

9 Responses to [via Frugal Dad] Jogando fora: as coisas vêm e vão, mas as memórias duram para sempre

  1. Heric 19 de novembro de 2010 at 3:08 #

    Conheço pessoas (é sério, apenas conheço, não é o meu caso.. rsrs) que não conseguem se desfazer de algumas ações, pois já virou uma relação sentimental, de amor e ódio, por sinal.. hehehe

  2. Flavio 19 de novembro de 2010 at 9:37 #

    Esse apego é muito comum com imóveis: o imóvel onde nasceu e/ou viveu a maior parte da vida, o imóvel onde mãe/pai/avós moravam, o primeiro imóvel próprio, que comprou financiado quando casou e cujas prestações o casal lutou para pagar etc, todos eles costumam ter muito valor sentimental.

    Não somos assim tão racionais quanto pensamos que somos. 🙂

  3. Guilherme 19 de novembro de 2010 at 11:22 #

    Heric, interessante….rs

    Flávio, concordo plenamente.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  4. Finanças Inteligentes 19 de novembro de 2010 at 12:03 #

    É um reflexo da importância exagerada que as pessoas dão aos bens materiais, o que importa é saber viver bem com ou sem materialismo. Aliás, quanto menos materialismo e mais simplicidade e humildade melhor.

    Abcs,

  5. Guilherme 20 de novembro de 2010 at 13:17 #

    Exatamente, F.I.

  6. rodpba 20 de novembro de 2010 at 15:29 #

    Guilherme,

    Durante a leitura do artigo, eu estava prestes a comentar relatando para se ter cuidado ao jogar fora essas coisas. Acontece que a nossa memória não é tão boa, e o pequeno objeto pode ajudar a recriar um momento. Mas aí no final você falou da foto. Perfeito. A foto pode ficar no computador e terá o mesmo efeito!

    Um abraço!

  7. Guilherme 21 de novembro de 2010 at 22:26 #

    rodpba, exatamente! É por isso que gostamos tanto de fotografias. Ouvi na rádio: quando perguntado a uma pessoa, se ela tivesse que salvar apenas uma coisa, qual seria essa coisa, a pessoa respondeu: álbum de fotos.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  8. Rosana 29 de junho de 2014 at 7:57 #

    Muito boa a dica das fotografias, gostei! 🙂
    Apesar do valor sentimental, a organização dessas coisas todas demanda tempo para organização e arrumação, então acabamos gastando um precioso tempo do presente com coisas do passado. Será que vale a pena?

    • Guilherme 29 de junho de 2014 at 9:03 #

      Exato Rosana, a questão do tempo tem que ser muito bem avaliada!

      O desapego deve ser algo constante em nossas vidas, e quanto mais desapegada for a pessoa, de menos “coisas”em sentido material ela conseguirá se livrar.

      Abç!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes