A diversificação é sua amiga

Há alguns dias, fizemos severas críticas à indústria financeira, e como ela pode corroer seu plano de investimentos, fazendo você receber menos do que tem direito. Tudo em função dos altos custos para investir em fundos de investimentos, altas taxas de corretagem para investir em ações, altos custos para abrir e manter contas-correntes em bancos… tudo o que envolve administração de patrimônio deve ser feito como se gerencia uma empresa: baixo custo é um passo fundamental para obter os melhores retornos líquidos de seus investimentos.

Hoje, vamos comentar sobre uma amiga que irá lhe ajudar a formar patrimônio. Afinal, você precisa de amigos para formar uma rede de relacionamentos sociais saudável e fortalecedora de vínculos humanos. É com amigos que você desenvolve seu capital social. Da mesma forma ocorre com investimentos. Você precisa de investimentos “amigos”, que sejam parceiros em fazer seu bolo crescer, seu capital financeiro crescer. Você precisa, resumindo tudo em uma palavra, de diversificação. A diversificação é a sua amiga.

E não estou falando apenas de ações bem diversificadas, como vocês já devem estar cansados de tanto ler aqui no blog saber. Eu vou continuar batendo nessa tecla, porque há muitos leitores que vêm chegando ao blog todos os dias, e é preciso também fornecer a eles princípios de educação financeira reconhecidamente válidos, sólidos e eficazes.

A diversificação é sua amiga porque ela dilui o risco, e maximiza o retorno. Saber diversificar significa escolher ativos financeiros que apresentem baixa correlação, tenham baixos custos e façam seu investimento crescer em qualidade e quantidade.

Como diversificar na renda fixa? Escolhendo ativos prefixados e pós-fixados. Exemplos de ativos prefixados: LTNs, NTN-Fs, CDBs prefixados, fundos de renda fixa. Exemplos de ativos pós-fixados: fundos referenciados DI, LFTs, NTN-Bs, CDBs DI.

Há também a possibilidade de diversificar usando câmbio e commodities. Por exemplo: investindo em fundos cambiais atrelados ao dólar (desde que cobrem, no máximo, 1% a.a de taxa de administração, que é o que o mercado oferece de menos caro hoje em dia ao investidor pessoa física), investindo em ouro, por meio de instituições autorizadas a funcionar pela CVM, como a Ourominas (comprando aqueles cartões, por exemplo).

A diversificação também é conselho válido para outros aspectos de sua vida financeira, que não sejam investimentos.

Por exemplo: cartões de crédito. Se você os usa como instrumentos de controle do orçamento doméstico, é de bom grado ter, pelo menos, um cartão da Visa, e outro da Mastercard, uma vez que pode acontecer de a loja aceitar só um ou outro. Você pode até diversificar nas datas de vencimento, maximizando o rendimento de seu dinheiro antes de ele ser utilizado para pagar a fatura.

Também é de bom alvitre ter uma diversificação, ainda que mínima, em contas-correntes bancárias e corretoras de valores. Você pode usar uma corretora para ações, e outra para títulos públicos. Você pode ter um banco onde receba o salário e para pequenos saques, e outro que exija investimentos, para obtenção de cartões de crédito de pontuação mais alta e serviços especializados de seguros, previdência e crédito.

Diversifique também seu conhecimento. Não leia livros apenas sobre aspectos fundamentalistas e de longo prazo no mercado de ações. Para seu divertimento, entretenimento e lazer, leia também livros que ensinam a especular, como os Axiomas de Zurique, além de livros sobre análise técnica, de preferência emprestados e/ou comprados em sebos. Leia livros em português, de autores brasileiros, e leia livros estrangeiros, norte-americanos, para testar seu inglês e ter contato com as melhores ideias sobre investimentos. Leia blogs que ensinam a investir melhor, e leia blogs que ensinam a consumir melhor.

Em conclusão: a diversificação é medida útil para você minimizar os riscos decorrentes da concentração de investimentos em produtos de elevado risco, e também para maximizar suas opções de escolha quanto aos demais produtos e prestadores de serviços financeiros. A diversificação, ao contrário da indústria de investimentos, é, sim, sua amiga. 😀

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

9 Responses to A diversificação é sua amiga

  1. Henrique 7 de outubro de 2010 at 0:43 #

    Ótimo texto Guilherme!

    Diversficação é se conscientizar de que o futuro é de fato imprevisível e que a única maneira de você se proteger dos acasos é colocando os ovos em várias cestas.

    Grande Abraço!

  2. Jônatas 7 de outubro de 2010 at 8:53 #

    Ler, ler e ler……….. está aí, como bem frisado por você, uma boa forma de diversificar.

    Ótimo texto Guilherme!

    Só lamento livros ainda serem caros em nosso país.

    Bom final de semana!
    Abraço.

  3. André 7 de outubro de 2010 at 11:01 #

    Conheci o blog a pouco tempo e estou acompanhando todos os dias, ainda não sou investidor mas estou aprendendo muito aqui para quando eu começar, continue assim.

  4. Vida Boa Investimentos 7 de outubro de 2010 at 11:25 #

    Oi Gui

    Voce mencionou que a diversificação dilui o risco e maximiza o retorno. Eu não consigo concordar com isso. Eu já ouvi diversos autores concordando com sua afirmação e também vários artigos fazer referência à diversificação como uma coisa que aumenta o retorno do investimento. Inclusive entre os blogs eu vejo o HC e o IeF falando em asset allocation e no poder desta técnica.

    Para mim é claro que a diversificação sempre vai minimizar o risco. Mas você pode me explicar como que a diversificação pode aumentar o retorno de um porfolio?

    Exemplo:
    Ouro: Rendeu 10%
    RF: Rendeu 0%
    Ações: Rendeu -10%
    Rendimento do portfolio c/ os 3 produtos acima em pesos iguais: 0%

    No exemplo acima, a diversificação ganhou das ações, empatou com a RF e perdeu para o Ouro.

    Não da pra dizer que a diversificação maximizou resultado neste exemplo, dá?

    Enfim. Aguardo anciosamente seus comentários!

    Abraços

  5. José Messias Ruggieri 7 de outubro de 2010 at 15:26 #

    Oi Guilherme,

    Bom texto. Porém na minha opinião não concordo com as pessoas possuirem dois cartões de crédito. Para mim cartão de crédito é um, isso se souber trabalhar com ele, senão é nenhum.

    Vale lembrar que o argumento que você utilizou de as pessoas terem ao menos um Visa e um Mastercard, não serve mais para os dias de hoje visto que pelo que sei hoje em dia as maquinas que passavam Visa passaram a aceitar Mastercad e vice-versa. Ou seja, não existe mais a necessidade de se ter dois cartões.

    Abraços.

  6. Flavio 7 de outubro de 2010 at 18:15 #

    Apesar se as maquininhas hoje em dia servirem tanto para o Visa quanto para o Master, o estabelecimento comercial pode não trabalhar com os dois.

    Tendo mais de uma bandeira pode-se aproveitar as promoções que surgem em cada uma delas. Por exemplo: tenho 3 cartões (Visa, Master e Amex), mas tenho usado mais o Amex (quando a loja aceita) pois ele está dando mais milhas. Os 3 são Ourocard e estão atrelados ao mesmo limite.

  7. Willy Fog 8 de outubro de 2010 at 9:32 #

    Diversificação é importante não apenas nas finanças como em aspectos não-financeiros como você citou. Perfeito!
    .
    Abcs

  8. Guilherme 8 de outubro de 2010 at 17:40 #

    Henrique, Jônatas e André, obrigado!

    VB, muito interessante o seu questionamento. No exemplo que vc colocou, de fato, não é possível dizer que a diversificação aumentou o retorno. O melhor seria aplicar tudo num ativo só. O problema dessa técnica é que não existem apostas certas no mercado financeiro, e a diversificação é a melhor maneira de controlar isso, desde que acompanhada de um poderoso instrumento, que é o rebalanceamento de carteiras.

    Isto é, é necessário que a pessoa defina percentuais fixos de alocação, e vá vendendo aqueles que ultrapassarem as metas pré-estabelecidas, e comprando aquelas que ficarem mais afastadas, para baixo, dos targets. Isso permite comprar a preço mais baixo, e a vender a preço mais alto. Em suma: permite diminuir o preço médio, maximizando o retorno da carteira.

    Dessa forma, a diluição de riscos por meio da diversificação só é válida se for contextualizada dentro de uma estratégia que efetivamente implante métodos de alocação de ativos com rebalanceamentos periódicos.

    José Messias, interessante seu posicionamento. Eu coloquei a diversificação dos cartões pelos motivos expostos pelo Flávio, ou seja, aproveitar os benefícios exclusivos de cada bandeira. Ademais, existe um componente financeiro importante em ter dois cartões, que melhora o fluxo de caixa, que explicarei mais à frente. Ele consiste em usar duas datas de vencimento colocadas uma a 15 dias de distância da outra.

    Willy, obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  9. Flavio 12 de outubro de 2010 at 11:05 #

    Além dos 3 Ourocards, tenho também um Itaúcard, que uso pouco.
    Ano passado, quando o BB lançou o Ourocard American Express, eles fizeram uma promoção na qual você podia pagar suas faturas e boletos bancários no Amex sem taxas (normalmente eles cobram 1,99% por esse serviço). O que fiz: concentrei todos os meus gastos no Itaúcard e paguei a fatura desse cartão com o Ourocard Amex. Com isso, ganheir milhas nos dois cartões!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes