Usando palavras, você constrói… ou destrói?

Você sabe qual é a essência da vida? Da sua vida? É o relacionamento. Ou melhor, são os relacionamentos. A essência da vida são os relacionamentos.

Você só cresceu porque teve a ajuda de uma família. Você se relacionou com ela. Você só aprendeu a ler e escrever porque teve relacionamentos com professores e colegas de escola. Você só teve uma profissão porque cultivou relacionamentos que lhe permitiram, primeiro, dar continuidade no ciclo de estudos, e, depois, fazer entrevistas ou prestar testes de seleção. Você só tem um trabalho porque mantém relacionamentos com colegas de trabalho, patrões e clientes. Você só se casou e mantém vivo o casamento porque está se relacionando com um parceiro(a). E você só tem uma família porque se relaciona com seus filhos. A essência da vida são os relacionamentos.

E qual é a essência dos relacionamentos? É a comunicação. Você se relaciona porque você se comunica. Você precisou transmitir o que desejava na infância para conseguir as coisas. Você precisou se comunicar com professores para tirar dúvidas e avançar no aprendizado. Você precisou – e precisa – se comunicar com os patrões, clientes e colegas de trabalho para conquistar – e manter – o trabalho. E você precisa se comunicar com sua família para manter saudável os relacionamentos dentro de casa. A essência dos relacionamentos é a comunicação.

E qual é a essência da comunicação? São as palavras que você diz, as palavras que você escreve. São elas que definem para onde você vai, com quem você irá se relacionar e como as pessoas reagirão diante de você. As palavras que você diz estão no seu controle, você tem total controle sobre elas, e é a partir delas que você constrói ou destrói relacionamentos e, em última análise, constrói ou destrói sua própria vida. Que palavras você utiliza no seu dia-a-dia para se relacionar? São palavras construtivas ou são palavras destrutivas?

Palavras construtivas aproximam as pessoas. Elas querem ficar mais perto de você, porque sabem que aquilo que você diz, ou aquilo que você escreve, têm valor, faz sentido, atrai a atenção, tem potencial para ajudá-las a viver melhor. Você cria pontes, você cria conexões, você estabelece vínculos, que podem ser bem mais úteis do que você jamais imaginaria.

Palavras destrutivas, com forte conotação negativa ou vazias de bom-senso, afastam as pessoas. Quando você as profere, o maior desejo que as pessoas, que te ouvem, têm é ficar longe de você, porque sabem que aquilo que você diz, ou aquilo que você escreve, não têm valor algum, e só as fazem querer manter distância de você. Você destrói pontes, você acaba com relacionamentos, e isso é muito ruim, porque você nunca saberá se um dia poderá precisar dessa pessoa novamente.

Que tipo de pessoa você deseja ser? Ou melhor, com que tipo de pessoa você deseja conviver? Pessoas negativistas, que usam a língua para destruir, não ganham nada com isso. Vivem desperdiçando seu tempo e sua energia. O que elas mal se dão conta é que espalhar pensamentos negativos geralmente diz mais sobre o mal que há nelas, e não sobre a pessoa que está sendo alvo de suas palavras.

Não use as palavras para destruir. Use-as para construir. Para criar relacionamentos. Para renovar os já existentes. Para agregar valor à vida das pessoas. Não use o precioso tempo e a preciosa energia que você tem, seja em fóruns, em blogs, seja em conversas na vida real, para lamentações, murmúrios, ataques e comentários negativos. As pessoas que te ouvem já têm seus próprios problemas, elas não querem ouvir, ou ler, “mais do mesmo”.

Se você tem um blog, não gaste suas preciosas páginas reclamando de pessoas ou coisas. Os leitores estão ávidos por novidades e informação que possam lhe agregar valor, e não por lamentações.

Se você participa de uma comunidade online – listas de discussão, fóruns, redes sociais – não seja uma pessoa negativa disposta a esbravejar sua infelicidade para os outros. Eles já estão ocupados demais com suas próprias preocupações. Aliás, comunidade nenhuma sobrevive à desarmonia entre membros, e, ao usar palavras para destruir, você estará contribuindo para a demolição de sua própria rede de contatos.

Costumo dizer, quando me deparo com blogs de excelente qualidade ou comunidades de ótimo conteúdo, que a qualidade das mensagens nada mais reflete que a qualidade de seus autores. O problema é que o inverso também é verdadeiro. Pessoas que só falam mal ou escrevem coisas ruins não merecem nossa atenção. Dessas, procure se afastar o mais rápido possível.

Afinal, se a essência da vida são os relacionamentos, se a essência dos relacionamentos é a comunicação, e se a essência da comunicação são as palavras, isso significa que a chave para você ter uma vida melhor está no seu total controle. Use as palavras de maneira construtiva, e isso abrirá um mar de possibilidades. Isso afetará seus relacionamentos: eles serão mais positivos. Em função disso, mais pessoas te procurarão, mais pessoas desejarão conversar com você, mais pessoas desejarão trabalhar com você. Elas então perceberão que aquilo que você diz, aquilo que você escreve, têm valor, e valor é tudo o que a sociedade mais precisa atualmente. Sabe por quê? Porque o valor traz consigo a semente da mudança, a semente da esperança. De que é possível fazer ainda melhor. Viver ainda melhor.

Nesse ponto, é impossível não fazer menção a um trecho da Bíblia que diz:

“Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura”.

– Provérbios 12:18

Não use as palavras como um meio para ferir, como fazem os tolos. Aja como os sábios: esforce-se, empenhe-se, em usá-las para curar, transformar, construir. Se você não sabe, fique sabendo: as palavras têm esse poder. Tanto para o bem quanto para o mal. A boa notícia? É que está no seu controle decidir para quais fins você usará as palavras que diz, ou que escreve. Usando-as com sabedoria, você não estará apenas levando os outros a terem uma vida melhor. Estará também edificando a sua própria vida para um patamar superior. E as recompensas, por fazer o bem, usando aquilo que você tem de melhor, não de pior, são ilimitadas, imprevisíveis e incalculáveis. Porque o mal, através de palavras destrutivas, tem limites. Mas o bem, através de palavras construtivas, não.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

, ,

9 Responses to Usando palavras, você constrói… ou destrói?

  1. A.Guilherme 31 de maio de 2013 at 9:18 #

    Parabéns pelo texto. Sejamos homens que semeiam o que desejamos colher.

  2. Rosana 21 de janeiro de 2014 at 16:40 #

    Muito bom esse artigo. 🙂
    Como diz o ditado: “a boca fala do que o coração está cheio”.
    Que sejamos sábios o suficiente para fazermos a diferença no mundo através de nossas palavras, sempre para o lado bom, da construção, do auxílio e jamais da destruição, da crítica, do negativismo.
    Eu acho que esse pode ser um belo e digno propósito para as 365 mudanças para esse ano citadas por você no outro artigo. Faz um tempo que tenho praticado isso e embora ainda precise de muito aperfeiçoamento, o pouco que mudei já fez muita diferença.
    Abraços!

    • Guilherme 22 de janeiro de 2014 at 7:29 #

      Perfeito Rosana, realmente, “a boca fala do que o coração está cheio”.

      E com certeza esse é um excelente propósito para as 365 mudanças, sobre o qual eu escrevi em outro post.

      Abç

  3. Arthur - RJ / Santa Cruz 18 de maio de 2014 at 1:35 #

    Guilherme…
    Vc com seus ótimos textos, está efetivamente me ajudando a reconstruir uma área da minha vida que infelizmente, eu deixei um pouco de lado, na busca de uma melhor qualidade de vida profissional.. Não vou parar a minha busca pela minha realização profissional e liberdade financeira, até pq quando meus entes queridos precisarem, eu possa oferecer ajuda… porém com esse texto, e o:

    http://valoresreais.com/2010/12/13/sair-da-zona-de-conforto-perigos-paradoxos-objetivos-e-vantagens/

    me esclareceram e ajudaram a ver o quanto eu estava pecando na área de relacionamentos… li esses dois textos há alguns dias e eles não me saíram da cabeça.. bem, hoje eu dei uma rasteira na zona de conforto, e simplesmente tive um excelente dia com a minha família, como já algum tempo não tinha!!!
    Outro texto seu que irei seguir a risca, é o:

    http://valoresreais.com/2011/12/19/sua-maior-virtude/

    Te agradeço do fundo do meu coração meu amigo, tô até com os olhos cheios d’água rsrsrs… é isso aí, que Deus te abençoe assim como vc sempre deseja para nós leitores!!!!
    um forte abraço!!!!

    • Guilherme 18 de maio de 2014 at 15:08 #

      Nossa, muito obrigado pelas palavras, Arthur!

      É gratificante saber que meus textos têm te ajudado a efetivamente viver uma vida mais plena e mais feliz!

      Isso tudo funciona como um verdadeiro “combustível” para que eu possa continuar escrevendo por aqui!

      Grande abraço e que Deus o abençoe!!!

  4. Júnior Augusto 5 de novembro de 2015 at 22:02 #

    Disse tudo meu caro Guilherme.

    “Quando somos bons para os outros, somos ainda melhores para nós.” Benjamin Franklin.

    Um forte abraço!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Valores Reais » Comentários à matéria de capa da revista Veja: “Falar e escrever bem: rumo à vitória” - 9 de agosto de 2010

    […] Por isso, é com satisfação que temos aqui no blog resenhas como o livro da Dad Squarisi e Arlete Salvador, e também recomendamos a nossos leitores que nos avisem de eventuais erros de português. As palavras são os veículos de manifestação de nosso pensamento, e elas têm poder tanto para construir quanto para destruir, conforme registramos em outro artigo. […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes